Caja PDF

Comparta fácilmente sus documentos PDF con sus contactos, la web y las redes sociales.

Compartir un archivo PDF Gestor de archivos Caja de instrumento Buscar PDF Ayuda Contáctenos



Comércio 348 .pdf



Nombre del archivo original: Comércio-348.pdf

Este documento en formato PDF 1.5 fue generado por Adobe InDesign CC 2017 (Windows) / Adobe PDF Library 15.0, y fue enviado en caja-pdf.es el 27/10/2017 a las 10:01, desde la dirección IP 85.242.x.x. La página de descarga de documentos ha sido vista 883 veces.
Tamaño del archivo: 2.7 MB (16 páginas).
Privacidad: archivo público




Descargar el documento PDF









Vista previa del documento


Preço: 0,01

Publicidade

Semanário | Sexta-Feira | 27 de Outubro de 2017 | Ano X | N.º 348

Publicidade

Director: Fernando Borges

"RETOMAR A AÇÃO"
PÁGS. 2 e 3

DIA MUNDIAL
DA POUPANÇA

PELOS TRANSPORTES
FLUVIAIS DO SEIXAL

SEIXALJAZZ
2017

CASA DO BENFICA
DO SEIXAL

Dia Mundial da Poupança comemorase no próximo dia 31 de Outubro. O
Crédito Agrícola dá conselhos para que
a população dos Concelhos do Seixal e
Sesimbra aprendam a poupar.

Comissão de Utentes dos Transportes – Seixal
foi criada no passado dia 20 de Outubro.
Objectivo da CUTS é combater as supressões
de carreiras fluviais e alargar a luta a outros
transportes públicos.

Primeira semana de concertos com grande
afluência. Auditório do Fórum Cultural do
Seixal teve casa cheia para assistir aos músicos
nacionais e internacionais. Regresso do
SeixalJazz Clube à Mundet também foi um
sucesso.

Casa do Benfica do Seixal comemorou o 10º
aniversário da sua inauguração a 19 de Outubro. Entrevista ao actual Presidente Paulo
Lopes revela-nos alguns dos projectos para o
futuro e muito mais.

Pág. 5

Pág. 8

Pág. 9

Publicidade

Pág. 12

ENTREVISTA
2

JOAQUIM SANTOS,
“É HORA DE RETOMAR A AÇÃO, HONRAR AS NOSSAS MEMÓRIAS E
CONSTRUIR O FUTURO COM A POPULAÇÃO DO CONCELHO DO SEIXAL"

Celino Cunha Vieira

EDITORIAL

Na última edição dizia eu estar farto
de tanta hipocrisia, referindo-me ao
que se tinha passado com a tragédia
dos incêndios. Mal imaginava que
depois do que foi dito e escrito durante
a campanha eleitoral autárquica,
tudo ou quase tudo esteja em paz e
tranquilidade aqui pelo concelho do
Seixal, à semelhança do que se passa
na Assembleia da República, em que
por vezes se esboça uma criticazinha ao
parceiro do governo, mas não se admite
que os outros façam o mesmo.
  Parece que os “maus” afinal não são
assim tão maus e que os “bons” vão
trabalhar muito para ajudar os “maus”
a serem um pouquinho melhores.
Existem alguns provérbios populares
que de certo modo poderiam retratar
fielmente a passagem da tempestade
para a bonança e as entradas de leão
com saída de sendeiro, surpreendendo
alguns mais radicais que se sentiram
enganados e que agora já não “piam”
nas redes sociais, como o faziam antes,
na defesa da sua “dama” que acabou
por os trair. É a vida e outros valores
mais altos se levantaram, pois “amor
com amor se paga”.
De qualquer modo, se as soluções
encontradas para a composição dos
vários órgãos autárquicos trouxer
estabilidade governativa e assim maior
possibilidade de desenvolvimento do
concelho, tanto melhor, só podendo a
população estar satisfeita pelas escolhas
que fez.
Por Fernão Ferro é que as coisas
andam mais complicadas, pois
segundo consta, existiram algumas
ilegalidades na Assembleia de Freguesia
que terão de ser superadas para que
possa existir um órgão executivo
eleito democraticamente, como todos
desejam e a Lei obriga.
Resumindo, daqui a três anos e meio
voltaremos a ter a agitação do costume
para a elaboração de listas concorrentes
às autarquias, seguindo-­‑se nos meses
seguintes o despertar das hostes
partidárias para tentar convencer os
eleitores dos mesmos projectos que
foram repescados de campanhas
anteriores e que depois de reciclados até
parecem novos.
Daqui endereço as maiores felicidades
pessoais e políticas a todos os eleitos,
esperando que possam cumprir os seus
mandatos com a maior serenidade e
muita saúde.

Director: Fernando Borges - CP1608
Registo do título: 125282
Depósito Legal: N.º 267646/07
Contribuinte N.º 194 065 499
Propriedade e Editor: Ângela Rosa

Começa agora mais um mandato. Quais
as principais ambições para os próximos
4 anos?
Neste novo ciclo é nossa intenção reforçar
o desenvolvimento económico e social do
Concelho. Destaco algumas das nossas
expetativas, que são também as da população
para este mandato, que passam pelo início da
obra do Hospital do Seixal ou pela construção
do novo Centro de Saúde de Corroios, da
responsabilidade do Governo. Também nós
Autarquia queremos  terminar a obra do Centro
Distribuidor de Água em Fernão Ferro, proceder
à requalificação do Mercado Municipal da Cruz
de Pau, bem como prosseguir o investimento
na Higiene Urbana, no Abastecimento Publico
da Água, no Ambiente com novas áreas
Verdes, no Desporto, na Cultura ou em novos
Equipamentos Sociais. Depois de ultrapassados
alguns dos constrangimentos provocados pelas
políticas de austeridade, estamos numa nova
fase de concretização de projectos e iniciativas
que irão permitir melhorar a qualidade de vida
da nossa população.
 
Começando por uma reivindicação antiga
da população e das Autarquia, pergunto,
em que fase se encontra a tão aguardada
construção do Hospital no Seixal?
Infelizmente a sua concretização não está
tão adiantada como gostaríamos, Ninguém
compreende, que passados 8 anos após o
compromisso político entre o Governo e a
nossa Autarquia, que passados 2 anos de um
Governo que se comprometeu na Assembleia
da República a avançar de modo urgente com
a obra, de um Orçamento de Estado que tem
dotação financeira para os projetos, que ainda
se aguarde o despacho de autorização de
despesa para lançar o concurso dos projetos
do Hospital, que está segundo sabemos, a
aguardar decisão do Ministro das Finanças.

ADMINISTRAÇÃO, REDACÇÃO
E PUBLICIDADE
Av. José António Rodrigues, n.º 45, 2º
2840 - 078 Aldeia de Paio Pires
Telm. 969 856 802
Telf. 210 991 683
comerciodoseixal@gmail.com
http://jornalcomerciodoseixalesesimbra.wordpress.com
Facebook: Comércio do Seixal e Sesimbra

Só dessa forma o projeto pode sair do papel
e passar a ser uma realidade para os nossos
munícipes que a cada dia que passa vêm o
seu acesso à saúde mais debilitado.
 
O que tem a autarquia previsto no que
se refere à área da educação?
Nesta área   iremos prosseguir com o
alargamento da rede pública na educação
Pré-Escolar gratuita e de qualidade, pelo
vamos avançar com a construção do Jardim
de Infância da Quinta de S. Nicolau, na
freguesia de Corroios. Ao nível do 1º ciclo
do Ensino básico, a autarquia continuará
a sua política de qualificação e de
alargamento dos equipamentos educativos,
no quadro das suas competências, estando
prevista a requalificação e ampliação das
Escolas Básicas de Aldeia de Paio Pires e
Quinta de Sto. António, na Amora.
Queremos continuar a investir na
manutenção
e
conservação
dos
equipamentos educativos de todos os
estabelecimentos da rede pública do ensino
pré-escolar e 1.º ciclo do ensino básico.
Mas  também vamos continuar a reivindicar
junto do Ministério da Educação, a
necessidade de construção dos 5 pavilhões
desportivos escolares em falta nas Escolas
Básicas do 2º e 3º ciclo do ensino básico, assim
como a devida manutenção e conservação das
escolas pelas quais o Ministério da Educação
é responsável. A Câmara Municipal do
Seixal continuará a exigir, a requalificação
urgente das Escolas Básicas do 2.º e 3.º Ciclo
Paulo da Gama (a qual por reivindicação
da autarquia e escola, já teve por parte do
ME a intervenção nas coberturas) e Cruz
de Pau, Secundária Manuel Cargaleiro, em
Amora, e o acompanhamento das obras de
requalificação da Escola Secundária João de
Barros, em Corroios.

Director Adjunto: Celino Cunha Vieira TE1218
Directora Comercial: Ângela Rosa
Paginação: Paulo Ramos de Sousa
Repórter: Fernando Soares Reis CP6261
Colaboradores: Adriana Marçal, Agostinho António Cunha, Alvaro
Giesta, Dário Codinha, Fernando Fitas CP2760, José Henriques,
José Lourenço, João Araújo, Jorge Neves, João Domingos CO-1693,
José Mantas, José Sarmento, Maria Vitória Afonso, Maria Susana

  
Como pretende a Autarquia resolver as
questões pendentes no que se refere à
habitação?
No Seixal queremos que todos tenham
acesso a uma habitação condigna. E é
por isso que nos preocupamos com todos
os que ainda não têm essa possibilidade.
A nossa expetativa é que neste mandato
consigamos uma maior regeneração e
renovação urbanas por um lado, e por outro
que possamos dar um salto na resolução
do problema do realojamento social que
afeta mais de 554 famílias no Concelho,
cerca de 1.500 pessoas. Na componente da
regeneração urbana vamos dar mais força
às ARU e aos Programas Pinte a sua Casa
e Reabilite o Seu Prédio. No que respeita
ao realojamento social, é em primeiro lugar
uma responsabilidade do Estado Central,
mas que conta com a Câmara Municipal
do Seixal para ajudar a resolver, tal como
temos vindo a expressar aos dois anteriores
governos a quem apresentámos uma
proposta de novo modelo de realojamento
social, infelizmente rejeitado por ambos.
Há uma nova perspetiva saída de uma
reunião recente com a nova Secretaria de
Estado da Habitação, que apesar de não ser
quanto a nós o modelo indicado, vamos
ajudar a desenvolver e a concretizar. Aliás, as
notícias recentes dão conta que o Governo
prevê investir 1.400 milhões em habitação
social que vai abranger cerca de 30 mil
famílias em que o Estado paga 50% dos
custos, chamando autarquias e IPSS para
parceiras, pelo que estaremos disponíveis
para apoiar e contribuir para a solução.
 
Continuando na área social, como está o
Seixal ao nível de equipamentos sociais?
Esta é também uma competência do
Estado, pelo que temos solicitado junto
do governo que se criem novas linhas
de financiamento para os necessários
equipamentos sociais. No Concelho
do Seixal, são hoje necessários 25 novos
equipamentos, entre Creches, Lares de
Idosos ou Unidades de Deficiência, com
uma estimativa de investimento de 65
Milhões de Euros, sendo que a Autarquia
está, como sempre, disponível para apoiar
estas intervenções, como vamos fazer com
a construção do Centro de Dia do Casal do
Marco ou a Creche dos Serviços Sociais de
Trabalhadores das Autarquias do Seixal.
E
quanto
ao
desenvolvimento
económico do concelho?
Entre outros, o Projeto do Arco Ribeirinho
Sul assume importância estratégica neste
desígnio, sendo necessário que também
o Governo se envolva de forma mais
direta na promoção e procura de novas
empresas para a nossa Região. A aprovação
do Novo Plano Diretor Municipal 20152025 foi um importante instrumento de
desenvolvimento territorial, que permitiu a
criação de novas áreas para a instalação de
empresas e que tem suscitado uma maior
procura das mesmas, pelo que esperamos

Mexia, Mário Barradas, Miguel Boieiro, Paulo Nascimento, Paulo
Silva, Pinhal Dias, Rúben Lopes, Rui Hélder Feio, Vitor Sarmento.
Impressão: Funchalense - Empresa Gráfica, S.A.
Tiragem: 15.000 exemplares
O «Comércio» não se responsabiliza nem pode ser responsabilizado pelos
artigos assinados pelos colaboradores. Todo o conteúdo dos mesmos é da
inteira responsabilidade dos respectivos autores.

CSS | 27 de Outubro de 2017

3

EM ENTREVISTA
concretizar a breve prazo a instalação de
novas unidades industriais no Concelho
do Seixal a curto prazo.
Tem previstos novos equipamentos
culturais para o Seixal?
A cultura é também uma área onde
iremos reforçar o investimento.
Pretendemos desenvolver mais projetos
e obter mais equipamentos culturais,
com o apoio e o envolvimento das
instituições e dos artistas do concelho.
Quanto a novidades nesta área
prevemos a  construção do Novo Centro
Cultural de Amora, dar continuidade à
reabilitação da Mundet ou o Centro de
Interpretação do Monumento Nacional
Olaria Romana do Brasileiro-Rouxinol,
e a afirmação de projetos emblemáticos
como o SeixalJazz ou a Oficina de Artes
Manuel Cargaleiro.
Destaca alguns projetos para os jovens
do concelho?
O Seixal é um concelho jovem, pelo que a
aposta nesta área é fundamental. É nossa
intenção desenvolver mais projetos como o
Festival de Street Art, e mais espaços como
o novo Centro de Apoio ao Movimento
Associativo Juvenil que queremos construir na
Amora. Mas também nos comprometemos
com o lançamento de um novo modelo
de habitações a custos controlados para
casais jovens, de modo a podermos fixar a
juventude do Concelho, e a construir a sua
vida na terra onde nasceram.
Neste mandato será concretizada a
Piscina Municipal da Aldeia de Paio
Pires? 
Na área do Desporto iremos construir mais
equipamentos, desde os de proximidade aos
grandes equipamentos, como é exemplo a
Piscina Municipal de Paio Pires, para além
da aposta na requalificação do parque de
equipamentos das coletividades e clubes
do Concelho, o apoio à concretização de
iniciativas e projetos dos quais se destaca
a Seixalíada, reforçando a resposta do
Movimento Associativo Popular à população,
com mais e melhor desporto para todos.
Uma das questões muito colocada pela
Autarquia no mandato anterior diz
respeito às acessibilidades. O que está
previsto para este mandato?
Precisamos que o Governo coloque os
projetos em prática! Que neste mandato se
concretize o Nó da A2 nos Foros de Amora,
a ER10 com a Ponte Seixal-Barreiro, ou as
requalificações das EN10 ou EN378. Da
nossa parte queremos prosseguir com a
rede de ciclovias, com uma ligação pedonal
e ciclável ao Barreiro e outra à Aroeira,
concelho de Almada, com o prolongamento
do passeio ribeirinho de Amora, com
a criação de um circuito turístico em
torno da Baía do Seixal através de um

veículo elétrico, ou a conclusão do troço
da Alternativa à EN10 em Corroios, entre
outras importantes obras de requalificação
da rede viária municipal.
 
E no que se refere aos transportes
públicos? A população tem cada vez mais
dificuldades em utilizar por exemplo os
barcos que vão para Lisboa…
No dia 9 de outubro eu, em conjunto com
o presidente da União das Freguesias do
Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires,  e
vários elementos da Comissão de Utentes
dos Transportes fizemos uma viagem
para Lisboa, onde tivemos oportunidade
de falar com munícipes que utilizam
diariamente este meio de transporte.
 São inadmissíveis as inúmeras supressões
de carreiras e o desinvestimento na
manutenção e reforço da frota   por
parte da Transtejo, esta é uma situação
insustentável, prejudica quem paga este
serviço e não pode usufruir do mesmo, esta
situação penaliza também os trabalhadores
da Transtejo que se vêm diariamente
confrontados pela falta de meios e algumas
vezes responsabilizados por um problema
que não criaram e que tem alertado para o
mesmo ao longo do tempo.
  Apesar de termos reunido este ano
com o Ministro do Ambiente, com
a Administração da Transtejo e mais
recentemente com o Secretário de Estado
que tutela os transportes e de o Ministro do
Ambiente ter assumido na reunião com a
autarquia um investimento de 10 milhões
de euros para o plano de manutenção da
frota de navios da Transtejo e Soflusa, até
ao momento pouco ou nada foi feito.
  
Este verão Portugal foi devastado pelos
fogos. Como estamos em termos do
socorro às populações no concelho?
O Seixal conta com duas corporações
de Bombeiros que além de apoiarem as
nossas populações apoiam também todos
aqueles que mais precisam por todo o País.
Quero aqui deixar um agradecimento pelo
trabalho destes homens e mulheres que
lutam contra este flagelo que vitimou mais
de 100 pessoas, deixou muitas sem teto e
parte importante da nossa floresta. É por
isso que continuamos a investir no socorro
às populações e que é nossa expetativa já
ter em funcionamento neste mandato os
Quarteis de Bombeiros de Fernão Ferro
e de Amora, obras apoiadas pela Câmara
Municipal do Seixal, que pese embora o
grande apoio da Câmara Municipal do
Seixal, não conseguem ter a necessária
sustentabilidade para garantirem um
melhor socorro às populações.
 
Como está o Seixal em termos de
condições ambientais?
Mais uma vez é urgente e fundamental
que o Governo reforce o investimento
na recuperação ambiental dos solos

contaminados da Siderurgia Nacional e
avance para outros focos no concelho,
nomeadamente em Sta. Marta do Pinhal
e Vale de Milhaços. Também que coloque
mais estações de medição da qualidade
do ar e obrigue as fábricas e empresas a
cumprir com a legislação ambiental como
é o caso da SN Seixal. Da nossa parte,
apoiaremos todas as iniciativas que ajudem
a mitigar estes problemas ao mesmo tempo
que queremos construir mais parques e
jardins, com destaque para a 1ª fase do
Parque Metropolitano da Biodiversidade
em Corroios, Parque Urbano de Miratejo
e Parque Urbano do Seixal.
 
Sobre o abastecimento de água que é
de extraordinária qualidade e das mais
baratas do país, o que está previsto
nesta matéria?
No que se refere ao abastecimento
público de água e saneamento
pretendemos melhorar os indicadores de
qualidade destes serviços, prosseguir a
renovação de redes e condutas por todo
o Concelho e aumentar a capacidade de
reserva dos Sistemas Municipais, como
são exemplo a Construção do Centro
Distribuidor de Água de Fernão Ferro já
em curso ou a obra de saneamento que
vai abranger metade da área da Verdizela
numa 1ª fase, que vai iniciar brevemente.
 
No que se refere à higiene urbana,
a população tem mostrado algum
descontentamento. Que investimentos
prevê fazer?
É efetivamente uma área onde iremos
continuar a investir consideravelmente de
forma a melhorarmos a prestação deste
serviço público. Iremos investir em mais
equipamentos e tecnologia, com um novo
modelo que arrancou em 2015 com resultados
já visíveis. Para além de novas viaturas e mais
trabalhadores e melhor organização, vamos

prosseguir com a colocação em larga escala
de contentores semi-enterrados a iniciar
brevemente na zona central de Corroios,
alargando-se depois a outras importantes
áreas urbanas do Concelho.
 
A participação da população na vida
do Concelho é um objetivo da Câmara
Municipal?
Pretendemos que este novo ciclo da vida do
concelho seja também mais participado,
que as soluções para os problemas sejam
construídas de forma mais próxima com as
populações, pelo que pretendemos avançar
com um novo modelo de participação,
onde a qualificação das ruas, dos bairros
e localidades seja um dos principais
temas a abordar, para além de todos os
outros investimentos necessários. Será
mais uma linha deste mandato, de maior
proximidade e participação da população
e instituições deste Concelho.
  
Existe mais alguma questão que
pretenda ver resolvida neste mandato?
Existe uma questão fundamental para o
melhor funcionamento do Poder Local
Democrático e da democracia local.
A retoma das 3 freguesias extintas por
decreto! E por isso apelamos a que nos
unamos nesta reivindicação de regresso
das Freguesias do Seixal, de Arrentela e
Aldeia de Paio Pires.
Deixo uma última palavra de apreço aos
trabalhadores da Autarquia, profissionais
experientes,
ambiciosos,
lutadores,
construtores do muito que já alcançámos e
sem os quais não seria possível desenvolver
o trabalho que os nossos munícipes
necessitam e merecem. Uma outra palavra
para todas as Instituições  e  Movimento
Associativo que todos os dias contribuem
para que o Seixal seja hoje em  dia um
dos municípios mais desenvolvidos e com
maior índice de qualidade de vida.

INFORMAÇÕES NA AGÊNCIA OU LINHA DIRECTA:

808 20 60 60
www.creditoagricola.pt

AF_CA_Jovens_ROD_262x48mm_CV.indd 1

ENTRE TEJO E SADO

Publicidade

22-09-2017 16:15:56

CULTURA

CSS | 27 de Outubro de 2017

4

HISTÓRIAS ASSOCIATIVAS (24)*

O VOZEIRO

CAETANO VERÍSSIMO
Rui Hélder Feio

Justiça.gov.pt
Na sequência de um artigo publicado
anteriormente nesta coluna sobre o
lançamento do site www.Justiça.gov.pt,
pode agora realizar por si mesmo ou num
escritório de Solicitador ou de Advogado,
os seguintes serviços:
– Agendar pedido do Cartão de Cidadão
– Agendar pedido do passaporte
– Apresentar queixas sobre a prestação dos
serviços dos organismos do Ministério da
Justiça
– Associação na Hora,
– Balcão Casa Pronta
– Balcão Divórcio com Partilha
– Balcão Heranças
– Biblioteca da Justiça
– Cobrar alimentos no estrangeiro
– Colocar anúncio para o exercício do
direito legal de preferência
– Consultar certidão de casamento
– Consultar certidão de nascimento
– Consultar certidão permanente comercial
– Consultar certidão permanente predial
– Consultar certificado de admissibilidade
de firma ou denominação
– Consultar citação edital
– Consultar contas anuais
– Consultar diligências marcadas
– Consultar distribuição de processos
judiciais
– Consultar documentos do processo
de injunção
– Consultar lista pública de execuções
– Consultar o meu processo executivo
– Consultar publicidade do PER
e insolvências
– Consultar venda de bens em processos
declarativos
– Consultar venda de bens penhorados
– Custas processuais
– Declarar um óbito
– Depositar documentos particulares
autenticados
– Design
– Empresa na Hora
– Empresa Online
– Espaço e Linha Justiça
– Iniciar processo de casamento
– Iniciar processo de divórcio
– Justiça no meu caso
– Marca na Hora
– Nascer Cidadão
– Pedir e consultar registo criminal
de pessoas
– Pedir informação estatística
– Pedir mediação familiar
– Pedir mediação laboral
– Pedir registo comercial
– Pedir registo predial
– Registar automóvel
– Registar nascimento
– Registar procurações
– Revalidar carta de condução
– Saber se existe testamento
– Serviços B2B
– Simulador – Quanto custa comprar casa
– Simulador – Taxas de Justiça
– Sucursal na Hora
Escolha os serviços de um profissional,
contacte o Solicitador.
Envie a sua questão para
duvidas@ruifeio.pt
Publicidade

ÁGUA TIRADA
DOS POÇOS E BAILES
À LUZ DO PETROMAX

Retomando o fio à extensa lista de histórias
em volta da União Arrentelense, Caetano
Veríssimo, refere, igualmente, recordarse das orquestras de jaz que animavam
os habituais bailes que regularmente
nela tinha lugar. “Era a realização desses
bailes que safavam a colectividade,” realça
“porque nessa altura esta vivia com muitas
dificuldades.
Estamos a falar de um período em que não
havia água ‘encanada’, nem electricidade”
sublinha. “ E a maioria dos habitantes
da terra, eram operários da Mundet,
Wicanders ou dos lanifícios, debatendose com grandes privações, porque os
ordenados eram extremamente baixos.”
Tal quadro vivencial instigava, obviamente,
a imaginação de quantos a ele estavam
sujeitos, em ordem a encontrar soluções
que facilitassem as suas condições de
vida. O exercício imaginativo estendia-se,
como se compreende, também aos corpos
directivos da colectividade, sobretudo, no
concernente aos aspectos que se prendiam
com o bom funcionamento do bar e com
a limpeza das instalações sanitárias.
Nesse sentido, resolveram instalar
no telhado do edifício um pequeno
reservatório, regularmente cheio, à força
de pulso, por meio de baldes de água,
recolhidos nos três poços envolventes à
sede.
O mesmo se poderá dizer quanto à falta
de luz, pelo que a iluminação da sociedade
se processava através de uns gasómetros
a carboneto. Mais tarde, substituídos por
uns petromaxes a petróleo. “O problema,”
salienta, “é que só havia dois. Numero que
sendo manifestamente insuficiente, nos
colocava, como é de ver, um sem número
de dificuldades quando se realizava uma
festa ou um baile.”
Aflições essas, que se acentuavam sempre
que algum deles queimava a respectiva
camisa. “Quando isso acontecia,” diz,
“ficávamos à média luz, durante o

tempo necessário ao arrefecimento da
cabeça e à consequente substituição da
camisa. Parecia que a festa ou baile, se
transformava, subitamente, numa espécie
de velório. Enfim, uma tristeza.”
Retratos de uma época marcada pela
constante exigência de sacrifícios a quantos
se entregavam à causa associativa, na
primeira linha dos quais, se encontravam
os filarmónicos que frequentemente se
deslocavam, a pé, com os instrumentos
debaixo do braço, até aos locais onde iam
a actuar.
“As posses da sociedade não nos permitam
que tomássemos a camioneta, logo, íamos
e vínhamos a pé, quer fosse para a Amora,
quer para Paio Pires, ou mesmo para o
Seixal.” Acentua Caetano Veríssimo que
ao longo das várias décadas de ligação que
mantêm à SFUA, passou por quase todos
os corpos directivos da agremiação.

Fernando Fitas

a responsabilizar-se pelo pagamento,
se, acaso, alguma das prestações não
obtivesse boa cobrança na data aprazada.
“Tínhamos, nós próprios que ser os
fiadores da colectividade junto das casas
que comercializavam os instrumentos,
para que estas autorizassem a sua venda
a crédito. O mesmo sucedia quanto às
reparações. De outro modo, nada feito, não
havia instrumento para ninguém. Uma
inquietação, levada da breca!” Assegura.
“Mais digo ainda: os ordenados da
generalidade da massa associativa eram,
nesse tempo, tão baixos, que a quotização
mal dava pagar o mísero vencimento do
contínuo, sendo que este recebia, somente,
trinta e cinco escudos/mês. E se o homem
se fartava de trabalhar!.. Trabalhava que
nem um mouro. Aliás, era ele quem
acarretava numa bilha, com capacidade
superior à de um desses barris de madeira,
toda a água necessária ao funcionamento
da colectividade.” Salienta.
Precisando o índice dos salários, então,
praticados, Caetano Veríssimo, esclarece,
igualmente, que quando começou a
trabalhar foi vencer 2$50/dia e quando
casou, ganhava 7$50 por semana. E o que
se passava consigo, passava-se, de resto,
com os operários das demais fábricas do
concelho. “Ora, com ordenados desta

Compra ou reparação de instrumentos
pagas a prestações sob fiança de um
director
De acordo com o conhecido filarmónico
da SFUA, “ os músicos da banda não
auferiam nenhum tipo de vencimento. E
quando recebiam alguma importância,
esta limitava-se, exclusivamente, ao
pagamento das horas de dispensa não remuneradas - concedidas pelos
responsáveis das diversas fábricas,
mediante prévia solicitação formulada,
nesse sentido, pela colectividade. Mas,”
acentua, “isso só acontecia, nos casos em
que a banda era contratada para ir actuar
fora do concelho.”
Por mor dos constrangimentos financeiros
que permanentemente apoquentavam
este tipo de instituições, a compra de
instrumentos constituía, invariavelmente,
uma aflitiva dor de cabeça para os
seus directores, que se viam forçados

dimensão,” afirma, “não era possível
cobrar quotas cujo valor se reflectisse,
pesadamente, na bolsa das pessoas.
Por essa razão, o seu valor era de 2$50
mensais.
Só o Dr. Alfredo Reis, dono da Quinta
da Fidalga” acrescenta “e o senhor João
Guilherme Carvalho Duarte, proprietário
da Quinta da Soledade, homens de muitas
posses, nessa altura, é que pagavam,
respectivamente, 3.000 e 1100$00 por
mês. Quase uma fortuna! Todos os outros,
ficavam-se pelos vinte e cinco tostões, ou,
no máximo, pelos três mil Réis.”
*Excertos de “Histórias Associativas- Memórias da
Nossa Memória – 1º Volume As Filarmónicas”.
Edição Câmara Municipal do Seixal - 2001

SOCIEDADE

CSS | 27 de Outubro de 2017

5

“NO POUPAR É QUE
ESTÁ O GANHO!”
a prazo e nas poupanças que os jovens mais
aplicam, e onde sentem segurança para investir.
Mesmo quando as taxas de juros se situam em
terrenos negativos a poupança apresenta uma
taxa de crescimento considerável. Verificamos
que as pessoas ficaram marcadas pela crise
e por essa razão hoje em dia investem com
contenção.

No próximo dia 31 de Outubro, celebra-­
‑se mais um dia Mundial da Poupança.
“O Comércio" esteve com Luís Marques,
Administrador da Caixa Agrícola de Entre
Tejo e Sado, de modo a conhecer quais os
principais produtos disponíveis para este
efeito.
Sendo a Caixa de Crédito Agrícola um
Banco com uma forte intervenção local,
como consideram que tem contribuído
para ajudar as familiares a pouparem na
nossa Região?
O Crédito Agrícola é tradicionalmente de
aforro ou seja, a poupança tem sido sempre
uma das principais áreas de intervenção
das Caixas Agrícolas com a oferta de
diversos produtos de baixo risco e com
rentabilidade.
Publicidade

Os nossos clientes distinguem-se na sua
preferência por produtos tradicionais
(Depósitos a Prazo e Poupanças) e nós
oferecemos soluções diversas de acordo
com os objetivos (prazos, mobilização)
e também com o segmento (faixa etária,
capacidade financeira).
No caso em concreto a Caixa Agrícola de
Entre Tejo e Sado tem promovido programas
específicos para os jovens realizando ações
de sensibilização nas escolas e lançando
produtos destinados a criar desde cedo
hábitos de poupança. É preciso compreender
a importância da poupança na nossa vida e
na nossa economia para haver um incentivo
a poupar e procuramos nas nossas iniciativas
dar esse contributo.
É importante dizer que apesar de existirem
muitas alternativas continua a ser nos depósitos

Qual a importância dos jovens na vossa
base de clientes?
É importante para nós captar e manter
clientes do segmento jovem e tem sido um
dos nossos principais investimentos.
Por exemplo, neste momento temos em
curso uma campanha que apresenta 5
razões para que os jovens escolham o
Crédito Agrícola como o seu Banco. Nesta
iniciativa contamos com os youtubers
Angie Costa e Paulo Sousa de forma a
promover os produtos CA para jovens.
No âmbito da poupança destaca-se a
Poupança Futuro que é uma poupança
que com pequenas entregas mensais
vai crescendo com eles e que pode ser
reforçada sempre que desejem.
Associámos o cartão GR8 um cartão prépago sem anuidades, o seguro universitário
com oferta de 15% de desconto no prémio
durante a vigência do contrato e um seguro
de acidentes pessoais proteção jovem com
a oferta da 1.ª anuidade.

Ainda dentro desta ação estamos a
promover um concurso para a produção de
um vídeo do qual os jovens entre 12 e os 18
anos poderão concorrer (ver regulamento
no site do Crédito Agrícola).
Por outro lado, também consideramos
muito importante promover o mérito e
premiar o desempenho dos jovens através
do programa NOTA 20.
Por falar em NOTA 20. Este ano
temos algum jovem da nossa região
contemplado com o Prémio NOTA 20?
Tal como divulgou o vosso jornal no ano
anterior, o Crédito Agrícola premiou os
20 melhores alunos a nível nacional,
sendo a nossa cliente Rita Filipa Cabrita
Paulino uma das vencedoras. Moradora
na nossa região, esta jovem de 17 anos,
voltou a ficar entre os vinte melhores a
nível nacional. Com uma nota final de 19,2
Valores distingue-se pelo seu excelente
desempenho escolar. Quando perguntamos
à Rita o que pretende ser no futuro,
não hesita. Eu vou ser médica! Sempre
acompanhada da mãe e avós, o seu grande
divulgador não deixa de ser o seu avô que
quando fala da sua neta os olhos brilham de
alegria e orgulho.
Este programa está na sua 4.ª edição e por
isso apelamos aos jovens (entre o 7.º e o
12.ºAno) toca a estudar para poupar!

SOCIEDADE

CSS | 27 de Outubro de 2017

6

Comemoração do
19.º Aniversário do
Mensageiro da Poesia
Foi no dia 22 de Outubro que se
comemorou com muita alegria e entusiasmo
o 19.º aniversário do Mensageiro da Poesia,
Associação Cultual e Poética. Este evento
teve lugar no Centro Cultural das Paivas
e iniciou-se pelas quinze horas. A mesa
de honra foi constituída por Luís Neves,
Presidente do Mensageiro, António
Pepe Presidente do Centro Cultural das
Paivas, Helena Quintas representante
da Freguesia de Amora. A sessão solene
foi iniciada pelo discursos dos vários
representantes presentes, sendo consensual
o papel desta associação na divulgação das
potencialidades do concelho cuja beleza
inspira todos estes poetas e também seus
fadistas. Juntou-se aos elementos da mesa o
poeta Elmano para apresentar o seu livro de

ESCREVO UM VERSO NA ÁGUA

Editado pela Associação Academia Ramiro
Freitas, a última obra de Fernando Fitas
“Escrevo um verso na água”, foi apresentado
no Seixal no passado dia 21 de Outubro,
numa sessão realizada no restaurante o Bispo,
que concitou o interesse de um significativo
grupo de amigos e admiradores do autor.  
Prefaciado por Manuel Ambrósio Sanchez,
professor de literaturas latinas e subdirector do
departamento de literatura da Universidade
de Salamanca, e ilustrado por Eduardo
Palaio, este livro é um grito de alerta contra
o alheamento com que temos olhado para

os naufrágios ocorridos no Mediterrâneo
e a intolerância com que os refugiados, em
muitos casos, têm sido tratados por algumas
franjas da população portuguesa, situação
que assume contornos de paradoxo, pois
quem a protagoniza parece esquecer-se do
flagelo da emigração ocorrido em Portugal
nos anos sessenta do século passado.
De acordo com o prefaciador “este tremendo
canto, é um longo lamento pelo desenraizamento
que, de um modo ou outro, todos sofremos,
especialmente aqueles que, como o autor, por
razões diversas se viram obrigados a abandonar

a sua terra de origem e com isso perderam a
ligação íntima com o espaço, com a aldeia, com
a casa natal”.
A referida sessão contou com as participações
António Amaral, presidente da Associação
editora da mencionada obra e do escritor
António Costa Neves, que analisou
detalhadamente o conteúdo da mesma, aos
quais se juntaram as participações musicais
de Francisco Naia e Vítor Sarmento com a
interpretação de algumas canções alusivas
à temática da emigração e à luta pela
sobrevivência.

“A Comédia Fantástica”
já estreou
poemas “Maresia” do qual fez uma breve
síntese e declamou alguns poemas, sendo
o moderador desta sessão o poeta Pinhal
Dias. Terminada a sessão solene, iniciou-se
a Animação. Feita com grande qualidade
pela “prata da casa”. Começou com a
apresentação dos Jograis do Mensageiro
que declamaram poemas de sua autoria e
da qual constaram poemas de sátira social
ao presente momento político. O Grupo
Musical da Associação de Reformados do
Casal do Marco entoou algumas canções
tradicionais. Prosseguiu a festa com a
declamação de alguns poemas por parte
dos associados e um momento musical
proporcionado pelos fadistas da casa, tendo
sido muito aplaudidos pela plateia. Muita
alegria, muito entusiasmo, numa tarde
dedicada à cultura e à confraternização.
Para terminar teve lugar o lanche partilhado
e o salutar convívio de todos os sócios,
familiares e amigos.
Maria Vitória Afonso

Foi na passada 4.ª Feira, dia 25 de Outubro,
que estreou no Teatro Politeama a peça de
Noël Coward: “A Comédia Fantástica” – ou
em inglês “Blithe Spirit”.
Filipe La Féria reuniu um naipe de grandes
actores para interpretarem esta hilariante
comédia, um texto absolutamente fantástico,
constantemente representado na Broadway e
em Londres, que recentemente arrebatou os
“Tony” americanos e os prémios de teatro
britânicos.
Sendo uma comédia radicalmente fora
do comum exige grandes actores para a
interpretarem e levarem o público de surpresa
em surpresa. A versão portuguesa conta com
a participação de Manuela Maria, Cristina
Oliveira, Helena Isabel, Rita Salema, Patrícia
Resende, Carlos Quintas, Maria Henrique,
Nuno Guerreiro e Marina Albuquerque, que
demonstram a sua classe de comediantes em
papéis que foram representados por grandes
actores em todo o Mundo.
Filipe La Féria apostou numa inesperada e
surpreendente comédia que fará o público
rir até às lágrimas numa situação inesperada
de puro e inteligente divertimento. Grandes

actores, fazendo bom teatro e dando duas
horas de felicidade ao público desta Comédia
Fantástica.  
A Comédia Fantástica está em cena de 4.ª a
Sábado às 21:30 horas, Sábados e Domingos
às 17:00 horas. As reservas poderão ser feitas
através do número 213 405 700.

ROSTOS DO SEIXAL
Músico de coração cheio, nasceu em
Alcochete onde começou a aprender música
aos quinze anos de idade na Sociedade
Imparcial 15 de Janeiro de 1898 daquela
vila piscatória ribatejana, iniciando a
aprendizagem de flauta transversal e
passando posteriormente para o clarinete
onde, a pedido do pai, executou até aos 34
anos na sua terra natal, vindo depois para o
Seixal, onde permanece até hoje.
Integra a banda da Sociedade Filarmónica
União Seixalense - “Os Prussianos” em
1966 a convite de um executante da mesma
banda: José Rebelo, conhecido como o
“Parrana”, após visitar a coletividade para
JOSÉ LUÍS CHAGAS
(1931)

assistir ao famoso “Enterro do Bacalhau”,
no final do Entrudo. Viveu muitas épocas
áureas na coletividade, tendo sido dirigido
pelos maestros António Fortunato de Sousa,
José Encarnação Ferreira, Alves Amorim e
Armindo Luís, o atual mestro.
Embora tivesse grande ligação à música, a
sua profissão foi a de auxiliar contínuo numa
escola do Montijo e,
mais tarde, na Escola Secundária Dr. José
Afonso, nas Cavaquinhas (à época a Escola
Industrial e Comercial).
Ao longo de cinco décadas, José Luís
Chagas tem dado o melhor que sabe pela
banda da União Seixalense, continuando

ainda hoje no ativo, sempre com atenção aos
elementos que o rodeiam, para auxiliar com
algum compasso ou anotação, preferindo,
segundo o próprio, estar sempre a tocar, pois
o ambiente jovem da banda e o carinho com
que é sempre tratado mantêm-no assíduo à
atividade regular da banda.

Mário Barradas

PUBLICIDADE
ANÚNCIO COMÉRCIO_F.pdf

1

26/10/2017

17:12

CSS | 27 de Outubro de 2017

7

Celebramos as memórias
Projetamos o futuro

181.º Aniversário
do Concelho do Seixal
6 de novembro 2017

PROGRAMA
De 31 de outubro a 2 de dezembro
LUGARES DE PESSOA
Exposição biobibliofotográfica sobre a vida
de Fernando Pessoa
Biblioteca Municipal do Seixal
Dia 4 de novembro, sábado
14 horas
40.º ANIVERSÁRIO DA ASSOCIAÇÃO
HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS MISTOS
DO CONCELHO DO SEIXAL
Quartel-sede e destacamento de Santa
Marta do Pinhal
21.30 horas
ALA DOS NAMORADOS
Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal
De 8 a 11 de novembro
18.ª FESTA DO CINEMA FRANCÊS
Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal
Dia 6 de novembro, segunda-feira
10 e 14.30 horas
ATELIÊ UM POSTAL… UM BRASÃO PARA
CELEBRAR O MUNICÍPIO
Público escolar
Núcleo da Mundet do Ecomuseu
Municipal do Seixal

21 horas
SESSÃO SOLENE COMEMORATIVA
DO 181.º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO
DO CONCELHO DO SEIXAL
Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal

Dia 18 de novembro, sábado
17 horas
TIPOGRAFANDO
Extensão no Espaço Memória – Tipografia Popular
no Seixal

Dia 11 novembro, sábado
15 horas
INAUGURAÇÃO DA REQUALIFICAÇÃO
DO CORETO DA SOCIEDADE MUSICAL
5 DE OUTUBRO
Aldeia de Paio Pires

Dia 19 de novembro, domingo
9.15 horas
28.º CORTA-MATO CIDADE DE AMORA
Parque do Serrado, Amora

Dias 11 e 18 de novembro, sábado
21.30 horas
NOITES DE FADO DO S. VICENTE – 13.ª EDIÇÃO
Cinema S. Vicente, Aldeia de Paio Pires
De 13 a 24 de novembro
ESTAÇÃO DO LIVRO
Biblioteca Municipal do Seixal e escolas da Rede de
Bibliotecas Escolares do concelho
Dia 17 de novembro, sexta-feira
21.30 horas
ABERTURA DO 34.º FESTIVAL
DE TEATRO DO SEIXAL
«Rabo de Saia», pela companhia Margem Narrativa
Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal
O festival decorre até 9 de dezembro em vários locais

Dia 25 de novembro, sábado
A partir das 14 horas
COMEMORAÇÕES DO 24.º ANIVERSÁRIO
DO FÓRUM CULTURAL DO SEIXAL
Biblioteca Municipal do Seixal
Dia 25 de novembro, sábado
21.30 horas
QUORUM BALLET:
«A MODERN PERSPECTIVE» E «MESA»
Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal
Dia 30 de novembro, quinta-feira
18 horas
INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO COLETIVA
DE ARTE POSTAL DA ARTES – ASSOCIAÇÃO
CULTURAL DO SEIXAL
Galeria Municipal de Corroios

ENTREVISTA

CSS | 27 de Outubro de 2017

8

"DESDE 2011 FORAM CORTADAS
CERCA DE 16 CARREIRAS"
Orlando Simões é um dos elementos da recém-criada Comissão de
Utentes dos Transportes – Seixal, cujo principal objectivo é lutar contra
a supressão de carreiras fluviais que se têm verificado no Seixal e na área
limítrofe. O “Comércio” esteve à conversa com Orlando Simões para
saber as formas de luta que a Comissão tem preparadas.
Como surgiu a ideia de criarem uma
Comissão de Utentes dos Transportes?
Esta Comissão de Utentes nasceu agora no
dia 20, quando foi eleita. É composta por sete
pessoas, e surge na sequência do problema
que se tem arrastado desde há várias semanas
e meses, com a supressão de barcos nas
horas de ponta, com especial expressão na
manhã e ao fim do dia. Mas é preciso ter
em consideração que desde 2011 já foram
cortadas cerca de 16 carreiras. Os barcos
que vêm de Lisboa terminam às 23:15, o que
penaliza bastante quem estuda, trabalha ou
quem eventualmente quer ir a um teatro ou a
qualquer espectáculo, ao fim-de-semana isso
é ainda mais grave porque terminam muito
mais cedo.
Tudo isto junto, com estas carências todas
e com o prejudicar das pessoas, e mesmo se
olharmos de uma forma mais profunda, a
própria economia local também é afectada
pela deficiência de transportes públicos.
Desta forma, nós iniciámos uns primeiros
contactos quando o presidente da Câmara
Municipal do Seixal e o presidente da União
das Juntas de Freguesia de Seixal, Arrentela
e Aldeia de Paio Pires fizeram uma viagem
no barco das 8:10 Seixal-Lisboa, falaram
com os utentes, explicaram a posição da
Câmara em termos de apoio à contestação
e apelaram também à reivindicação dos
utentes. Com tudo isto junto, resolvemos
convocar uma reunião de utentes de modo
a eleger uma comissão para ter algum
sentido prático e reconhecido. Já houve uma
primeira reunião com a comissão eleita que
teve lugar no dia 25 de Outubro, pelas 21
horas, onde foram traçadas algumas formas
de reivindicação nomeadamente a questão
de um abaixo-assinado que está neste
momento a decorrer nos barcos através destes
elementos da Comissão de Utentes e através
de outras pessoas que se voluntariaram para
recolher assinaturas. Posteriormente terão
duas vertentes possíveis: ou o Ministério
ou a própria Assembleia da República,
dependente do número de assinaturas.
Neste momento estamos com bastante
adesão, porque hoje – n.d.r. ontem –, dia
26 de Outubro, e ontem – n.d.r. anteontem
– ao fim da tarde, continuaram a haver
inúmeras supressões de carreiras, podemos
mesmo dizer que é uma sim e uma não. O
que está também previsto na nossa forma
de luta é enquadrar as outras comissões de
utentes do Montijo e Barreiro para uma
plataforma de pressão sobre a empresa
e sobre a tutela, para que a manutenção
dos navios, segundo conseguimos apurar
um dos grandes problemas, mais do
quantitativo de barcos existentes, é a
manutenção que está a ser preterida. Os
certificados de navegabilidade são outro
dos problemas que levam as embarcações
a estarem encostadas, apurámos também
que estão encostados há mais de um ano,
e nomeadamente aqui no Seixal, está um
parado no estaleiro. Obtivemos também
a informação de que em Cacilhas estão
outros parados, portanto no cômputo geral
há uma série de embarcações que estão
paradas devido precisamente a estas falhas

de gestão da empresa. E são todas estas
situações que estamos a tentar reverter em
conjunto.
Há outras hipóteses de acção e de luta mais
para a frente, nomeadamente audiências
com os grupos parlamentares e reuniões
com o Ministério da tutela e com a própria
administração da empresa.
Têm sido bem recebidos pela população?
Sim, a recepção pelos utentes tem sido
bastante boa. Claro que todos se sentem
prejudicados e tem-se verificado nestas
duas reuniões que existiram da Comissão.
Iniciámos com 19 elementos e no dia 25 já
tínhamos mais, na ordem das 24 pessoas,
e mesmo assim estavam em falta alguns
que tinham estado na primeira. De uma
forma geral as pessoas estão receptivas.
Também é uma ideia o contacto breve
com a autarquia, com a vereação que está
responsável pela área dos transportes,
como suporte institucional e é óbvio que
não vamos parar.
Existem duas páginas no Facebook
destinadas a esta publicitação dos eventos e
acções. Uma já existia que é “Pela Melhoria
dos Serviços da Transtejo e da Soflusa” e
existe agora outra com o nome “Comissão
Utentes Transportes - Seixal”, através
destas páginas vamos divulgando as acções
e pretendemos que as pessoas também
nos contactem, dêem a sua opinião e
sugestões, e que no fundo engrossem todo
este movimento. Temos também um mail
inerente à Comissão de Utentes que é
cuts.seixal@gmail.com, para recebermos
todo o tipo de contactos que possam ser
pertinentes para este tipo de acção.
De que forma é que a autarquia pode
ajudar a pressionar a empresa na questão
dos transportes ou a ajudar a Comissão de
Utentes?
A autarquia já teve em Junho uma reunião
com o Ministro da tutela, precisamente a
aflorarem, houve um documento que foi
assinado pelas entidades, para pressionar
a resolução rápida ou atempada deste
problema. Nós o que pretendemos é que a
autarquia nos ajude nesse campo das relações
institucionais, porque é óbvio que tem mais
muito mais peso em termos institucionais,
e que basicamente seja este tipo de apoio
e qualquer outro apoio logístico que seja
necessário. Uma acção com mais volume e
que sejam necessárias pessoas ligadas à área
institucional.
Temos também em vista marcar uma
reunião com o vereador que está encarregue
deste pelouro. E mesmo em termos
intermunicipais, uma vez que pretendemos
reunir com as Comissões de Utentes do
Barreiro e Montijo, também em termos
institucionais com as autarquias limítrofes,
realizarmos acções mais profundas.
Essa plataforma de entendimento com
as populações limítrofes do Seixal pode
ajudar ainda mais a pressionar a empresa?
Eu creio que sim porque o problema é comum,
a administração da empresa Transtejo e

Soflusa é exactamente a mesma, e como tal,
uma frente mais forte que cubra toda a zona
Sul de Lisboa, será uma mais-valia.
Pelo menos estamos convencidos que tanto
em termos de empresa como de pressionar
o próprio Ministério. As verbas que estão
destinadas à recuperação da empresa,
falou-se em cerca de 10 milhões de euros,
o que parece que é ligeiramente abaixo do
orçamento do ano anterior, provavelmente
não irá ser o suficiente para a resolução do
problema na íntegra, portanto terá de haver
mais pressão sobre o Ministério e sobre as
entidades supervisoras.
Nós sabemos que houve uma reunião entre
o MUSP – n.d.r. Movimento de Utentes de
Serviços Públicos – e a empresa, em que eles
prometeram que não se iriam repetir os casos
até agora existentes, mas o certo é que isto foi
no início da semana passada e ontem e hoje já
voltaram a repetir-se os mesmos problemas.
Todo este apoio supomos que seja uma mais-­
‑valia para esta luta.

nosso alvo seriam as 4 mil assinaturas, para
poder ir à Assembleia e descer a plenário, mas
se não conseguirmos chegar aí em tempo
útil, ou seja daqui a uma semana ou máximo
dos máximos duas semanas, iremos para o
Ministério.

Têm intenção de alargar essa luta a outros
transportes?
Isto há também outras vertentes.Depois de
tentarmos arranjar uma solução mínima
para este problema dos barcos, pretendemos
ter uma abrangência com os outros
transportes públicos. Nomeadamente
aqui na zona, e que afectam os próprios
utentes do barco, são os TST. Há uma
descoordenação total entre a chegada
dos passageiros dos barcos e a partida
dos autocarros, muitas das vezes o barco
chega e o autocarro já está a sair, e à noite
isto torna-se problemático. Portanto uma
das intenções desta Comissão de Utentes
neste momento é o enfoque nos barcos, nos
transportes fluviais, mas posteriormente
O abaixo-assinado tem alguma data a intenção é alargar aos utentes da TST e,
quem sabe, aos da própria Fertagus.
limite?
Vamos tentar ser mais breves possíveis, para
João Domingues
tentarmos atingir perto do que queríamos. O

SOCIEDADE

CSS | 27 de Outubro de 2017

9

SEIXALJAZZ 2017

A primeira semana do SeixalJazz 2017 teve
casa cheia. O público amante de Jazz encheu
o Fórum Cultural do Seixal para assistir aos
concertos Wolfgang Muthspiel Quintet,
Slow Is Possible e Michaël Attias Quartet.
O regresso do SeixalJazz Clube também
foi um êxito, o antigo refeitório da Mundet
recebeu durante três dias seguidos Ricardo
Toscano Trio, liderados por Ricardo
Toscano, recentemente entrevista pelo
“Comércio”.
As honras de abertura couberam ao
austríaco Wolfgang Muthspiel, através do
seu Wolfgang Muthspiel Quintet, composto
por Wolfgang Muthspiel na guitarra, Ralph
Alessi no trompete, Jon Cowherd no piano,
Publicidade

Scott Colley no contrabaixo e Eric Harland
na bateria.
O concerto do quinteto de Wolfgang
Muthspiel era dos mais esperados e o
público assim o fez transparecer, não só
pela apresentação do novo álbum “Rising
Grace”, que recebeu óptimas críticas
na prestigiada revista Down Beat, mas
também porque na gravação do mesmo
contou com as participações de músicos
conceituados como o trompetista
Ambrose Akinmusire ou percursionista
Brad Mehdlau (curiosamente ambos
já passaram pelo SeixalJazz, Ambrose
Akinmusire em 2014, e Brad Mehdlau
em 1998).

No dia seguinte foi a vez do projecto
português Slow Is Possible subir ao palco do
Fórum Cultural do Seixal. O grupo toca um
jazz diferente do que o público seixalense
está habituado, com uma forte influência
erudita e ainda contagiada pelo blues e
pelo pós-rock. O grupo oriundo da Beira
Interior apresentou-se em palco com André
Pontífice no violoncelo, Bruno Figueira no
saxofone alto, Duarte Fonseca na bateria,
João Clemente na guitarra, Nuno Santos
Dias no piano e Ricardo Sousa no baixo
elétrico e contrabaixo.
No Sábado, dia 21, foi a vez do Michaël
Attias
Quartet
apresentar-se
no
SeixalJazz. O saxofonista e compositor
é um verdadeiro globetrotter: nasceu
em Israel, cresceu em Paris, passou a
adolescência em Minneapolis e vive em
Nova Iorque desde 1994. Michael Attiäs,
que tocou saxofone alto, trouxe consigo
os músicos Aruán Ortiz no piano, John
Hebert no contrabaixo e Nasheet Waits na
bateria. O quarteto apresentou ao público
o seu mais recente trabalho, “Nerve
Dance”, cujo sítio oficial na internet do
All About Jazz classifica como “capaz
de proporcionar alegria aos ouvidos e
um abanão no sistema”. O músico não
escondeu a sua ligação a Portugal, tem
mesmo um álbum gravado ao vivo em
Coimbra de nome “Renku In Coimbra”,
e a Lisboa, terminando mesmo o concerto
com a interpretação da música “Lisbon”,
do álbum “Twines Of Colesion”.
O SeixalJazz Clube, na Mundet, recebeu
durante três dias Ricardo Toscano Trio. O
músico seixalense, acompanhado do seu

saxofone alto, tocou com o seu trio composto
por Nelson Cascais no contrabaixo e Nemanja
Delic na bateria, e podemos confirmar que
cumpriu com o que prometeu na entrevista
ao “Comércio”: “tocar straight ahead e partir
aquilo tudo”.
Ricardo Toscano é uma força da natureza
e esteve aliado a dois excelentes músicos
que acompanham na perfeição o
saxofonista.
O “Comércio” notou ainda que Michael
Attiäs e Aruán Ortiz também se
apresentaram no SeixalJazz Clube para
assistir às últimas músicas do concerto do
trio no dia 21. Foi ainda possível ver os
músicos a confraternizar no final.

O SeixalJazz 2017 decorre até Sábado,
dia 28, no Fórum Cultural do Seixal e
no SeixalJazz Clube na Mundet. Ontem
tocaram João Barradas Quinteto, hoje será
a vez de Dominique Pifarély Quartet e
terão honras de encerramento Lee Konitz
Quartet, com o lendário Lee Konitz no
saxofone. No Seixal Jazz Clube, tocaram
ontem Volúpia das Cinzas, e vão tocar hoje
e amanhã The Rite of Trio.

SAÚDE

CSS | 27 de Outubro de 2017

10

FITOTERAPIA

OPINIÃO

Beringela

Dra. Ana Machado

DEPRESSÃO AFETA 33 POR
CENTO DOS DOENTES QUE
SOFREM UM AVC
Dia Mundial do AVC assinala-se
a 29 de Outubro
 
Anualmente, cerca de 17 milhões de pessoas
em todo o mundo sofrem um primeiro
evento vascular cerebral. O Acidente
Vascular Cerebral (AVC) constitui, assim,
uma das principais causas de mortalidade,
mas também de morbilidade e perda
de anos de vida saudáveis, sendo que
cerca de um terço dos doentes se tornam
dependentes de terceiros para as atividades
da vida diária.
Além dos défices neurológicos decorrentes do
evento vascular, podem surgir no pós-AVC
sintomas psiquiátricos, quer da esfera afetiva,
quer cognitiva, quer comportamental.
Dentro destes, os mais comuns são os
sintomas depressivos, de ansiedade, a apatia
e a instabilidade emocional.  
A depressão pós-AVC, considerada a
consequência neuropsiquiátrica mais
frequente e importante após um evento
vascular e com efeitos negativos sobre o
prognóstico a longo prazo, afeta cerca
de 33% dos pacientes. A existência de
psicopatologia prévia bem como a de
outros fatores médicos, o território cerebral
afetado e a incapacidade resultante do AVC
atuam como fatores de risco. A presença de
sintomas depressivos persistentes no status
pós-AVC está associada a um maior risco
de mortalidade após o evento e a maior
deterioração do estado físico e mental do
doente a longo prazo, bem como a aumento
do risco de suicídio.
Nesta população a deteção de sintomas
depressivos pode tornar-se mais difícil,
decorrente dos défices neurológicos
subjacentes (por exemplo, em situações em
que a capacidade de comunicação verbal
do doente ficou comprometida). Desta
forma, os familiares próximos e amigos
assumem um papel de grande importância
na deteção precoce de sintomas (perda de
apetite, diminuição da energia e vontade
de participar em atividades sociais,
alteração do padrão de sono, ideias de
desvalorização pessoal) e procura de
cuidados especializados de saúde mental.
O tratamento dos sintomas psiquiátricos
após um evento vascular cerebral passa pela
combinação de estratégias farmacológicas e
psicoterapêuticas, sendo que alguns estudos
mostram que a terapêutica antidepressiva
pode, inclusive, ter um papel nos sintomas
motores, de forma independente. Com
o tratamento adequado, a pessoa pode
recuperar dos sintomas neuropsiquiátricos
e aumentar o grau de independência nas
atividades de vida diária, contribuindo assim
para a melhoria do prognóstico global.

Na viagem realizada em fins de
agosto pelo sul da Itália, tive o prazer
de conhecer a “melanzana rossa”. Foi
em Matera, cidade mística e mítica que
em 2019 irá ser a Cidade Europeia da
Cultura. Entre tantas surpresas agradáveis
proporcionadas pela participação no
84º Congresso Italiano de Esperanto,
com realce para as excursões efetuadas
na região da Basilicata onde visitámos
palácios, museus e igrejas, destacámos a
que foi feita à cidade pétrea, dotada de
cavernas ancestrais. Recordar tudo o que
aí se viu é sumamente difícil, mas recordo
que mesmo no fim da digressão, entrámos
numa loja “gourmet” onde um fruto
vermelho e arredondado passou de mão
em mão, sem ninguém adivinhar o que
seria. Parecia uma maçã ou um tomate
mas era simplesmente uma beringela,
que dá pelo nome vernáculo de Solanum
aethiopicum, especialidade daquela região.
Esta foi uma das maneiras de iniciar
a presente croniqueta. Outra poderia ser

a relativa à experiência que tive quando
fiz os “Berberes do Toubkal”, integrado
numa caravana de caminheiros que,
em 8 dias, percorreu 140 quilómetros
nas montanhas do Atlas. O jovem guia
era berbere mas expressava-se em bom
francês. Ao comentar os ingredientes do
almoço esqueci-me do termo “aubergine”
e escapou-me “beringela”. Não houve
problema pois o guia de imediato entendeu.
Afinal a palavra portuguesa era igual à do
seu idioma. Mas chega de conversa fiada!
A beringela, cujo nome científico é
Solanum melongena, pertence à família
das Solanaceae e ao contrário de outras
solanáceas conhecidas, como o tomate,
a batata e o pimento, não proveio das
américas. É originária da Índia e entrou
na Europa trazida pelos árabes no século
XIII. Os europeus, a princípio, olharamna com desconfiança. Como se sabe,
todas as solanáceas possuem elementos
tóxicos e algumas são mesmo mortais.
Os italianos chamaram-lhe “melanzana”
que significa maçã malquista, mas pouco
a pouco, após muitas hibridações, das
centenas de variedades espontâneas,
logrou-se alcançar espécies comestíveis

com baixo teor em solanina e solasonina (as
tais substâncias tóxicas) e o consumo da
beringela como alimento, popularizou-se.
A planta possui caule ereto, ramificado
e peludo podendo atingir 1 metro de
altura. As folhas, oblongas ou ovadas,
são ásperas. As flores, hermafroditas,
com cinco pétalas brancas ou violáceas,
apresentam-se solitárias. Mas o que mais
nos interessa são os frutos. Eles são grandes
com pele lisa e brilhante podendo ter
várias configurações, se bem que as mais
frequentes sejam as ovoides ou piriformes.
A sua cor pode ser roxa, negra, amarela,
branca (nos EUA chamam-lhe “eggplant”)
ou até vermelha, como a que vimos na
Itália. A polpa tem textura esponjosa.
Os maiores produtores mundiais são a
China e a Índia com 85% das quantidades
obtidas em todo o mundo. Na Europa,
com exceção da Itália e da Espanha, a sua
produção e consumo são ainda incipientes.
Em Portugal era praticamente desconhecida
há meio século. Ainda me lembro bem
quando vi beringelas pela primeira vez.
A beringela gosta de calor e
luminosidade
mas
detesta
regas
abundantes quando está a florir. Possui
vitamina C, vitaminas do complexo B,

cálcio, ferro, potássio, magnésio e selénio.
É rica em fibras solúveis e integra alguns
alcaloides.
Embora ainda não suficientemente
estudada no tocante aos seus poderes
medicinais, atribuem-lhe virtudes como
a de ser digestiva, nutritiva, laxante e
antioxidante. Reduz as taxas do colesterol
e atua nos problemas de artrite, gota,
reumatismo e diabetes. Externamente,
em cataplasma, atenua os efeitos das
queimaduras solares.
No entanto, é na gastronomia que
a beringela atinge maior projeção. O
seu sabor em refogados, “ratatouilles”,
lasanhas, frita, panada ou assada às
rodelas, é único, contribuindo para dilatar
a paleta de paladares dos vários pratos
cozinhados. O “caviar” de beringelas,
confecionado com as ditas assadas,
tomate, cebola e ervas aromáticas forma
uma pasta muito apreciada que substitui
com vantagens económicas, e não só, as
ovas de esturjão.
A terminar, adverte-se que jamais
se deve consumi-la crua, porque o seu
gosto é amargo e retém maior índice de
alcaloides.

Miguel Boeiro

GASTRONOMIA

CSS | 27 de Outubro de 2017

11
11

RECEITA:

DR

CARPACCIO DE PERU FUMADO E MANGA

PREPARAÇÃO:
• Corte 3/4 da manga em lascas muito finas.
• Repita o mesmo processo com o peito de
peru fumado.
• Disponha num prato grande, alternando a
manga com o peru.
• Num recipiente, amasse a restante manga
até ficar uma pasta e misture ao pesto.
• Sirva o molho por cima e polvilhe com
queijo mozzarela.
• Sirva fresco e depois mantenha no
frigorífico.

www.entrecolheradas.com
by Paula Bollinger

Publicidade

INGREDIENTES:
Porções: 1 prato
Duração: 15 minutos
Grau de Dificuldade: fácil
Ingredientes:





1 manga
1/2 peito de peru fumado
120g de mozzarela ralada
3 colheres (sopa) pesto

ENTREVISTA

CSS | 27 de Outubro de 2017

12
12

"NÓS LEVAMOS A MENSAGEM DO SEIXAL
PARA FORA DO CONCELHO, E LEVAMOS
A IMAGEM DO BENFICA PARA FORA DO SEIXAL"

,

A Casa do Benfica do Seixal comemorou no passado dia 19 de Outubro
o 10.º aniversário da sua inauguração. Paulo Lopes, o actual Presidente
falou ao “Comércio” numa entrevista onde fez um balanço da presença
da Casa do Benfica no Seixal e do objectivo de ter formação de atletismo
e mais modalidades.
Qual o balanço que fazem destes 10 anos?
Eu não vou falar dos 10 anos, vou falar
dos seis anos em que estive envolvido no
projecto Casa do Benfica do Seixal porque
dos quatro anos para trás não posso falar
muito, quem presidiu foi a Dr.ª Ana Reis e
eu não tenho um conhecimento válido do
que foi feito. Sei que construiu alicerces para
uma nova Casa do Benfica, uma nova sede
onde ainda hoje está instalada, no Mercado
Municipal do Seixal, no antigo restaurante
O Judeu. O próprio Benfica, a organização e
administração acharam, que era importante
nós termos uma Casa do Benfica no Seixal
dado que tínhamos ali também o Centro
de Estágios, então arranjaram o espaço
condigno e fizeram aquela casa com a nova
imagem das Casas do Benfica.
Entrei para associado no dia da inauguração,
a partir desse momento comecei a frequentar
a Casa do Benfica e quem lá estava sempre
achou que eu seria uma mais-valia como sócio
e como futuro dirigente da Casa, e foi isso
que aconteceu. Quatro anos depois, entrei
para Vice-Presidente da Casa do Benfica
a convite da Dr.ª Ana Reis, que eu duma
maneira singela a quero homenagear pela
“casa às costas”, ela e as outras colaboradoras.
Não vou mencionar nomes para o caso de
esquecer-me de alguém, mas tenho a Dr.ª
Ana Reis como referência, como uma grande
benfiquista deste Concelho e como grande
impulsionadora da Casa do Benfica do
Seixal. Tudo o que sabia e sei hoje, também o
devo à Dr.ª Ana Reis, como ela também sabe,
e estou à vontade para dizer, que aprendeu
muita coisa comigo.
É esse o balanço que posso pensar, cheguei a
uma Casa que me agradou bastante, agarrei-me
às pastas todas para perceber onde seria útil, e
fiz um pouco o trabalho que Luís Filipe Vieira
fez no seu início no Sport Lisboa e Benfica,
agarrei-me a tudo: visitei, telefonei, apareci e a
Casa hoje está como está, com uma imagem
satisfatória, não só para o Concelho do Seixal,
mas também para o próprio Benfica que viu
em nós uma referência aqui no Concelho.
Ou seja, nós temos um grande nome por trás,
mundial e claro que também temos as nossas
fraquezas e os nossos adversários vêem em
nós uma ameaça. Temos sentido isso, o nosso
crescimento causou inveja a muita gente aqui
no Concelho, desde castigos a jogadores do
Futsal, alguns dos nossos jogadores também
não perceberam onde estavam, acharam que
era uma colectividade como qualquer outra,
e com o maior respeito para com todas as
colectividades do Concelho. Há muito que
pertenço ao movimento associativo e sei o que
é o movimento associativo neste Concelho,
mas houve situações de mentalidade de
atletas e cidadãos do Concelho que eu não
concordo e que pensam que somos só mais
um. Não somos só mais um, somos um no
Concelho e importante para o país, não é à
toa que quando visito as Casas do Benfica no
Norte de Portugal que ficam satisfeitas com o
trabalho que é feito por esta Casa. Eu tenho a

facilidade de explicar aos presidentes das Casas
o trabalho que é feito e eles ficam maravilhados
porque lá não conseguem fazer. Nós levamos
a mensagem do Seixal para fora do Concelho,
e levamos a mensagem do Benfica para fora
do Seixal. É esse o nosso trabalho, à Cosme
Damião.
Vou aproveitar ter mencionado o Futsal.
No início, a Casa do Benfica do Seixal
era apenas um pólo de encontro dos
benfiquistas do Concelho. Além do pólo,
que continua a ser, é também uma casa
de desporto, têm atletismo, futsal e pesca
desportiva.
Precisamente. Tivemos caminhada, estamos
a tentar revitalizá-la, e estamos com ideia de
implementar a Sueca, mas voltando atrás,
de facto o atletismo é a modalidade mais
forte da casa, nem é o futsal. Posso dizer que
iniciei o projecto com três atletas, a pedido
da Dr.ª Ana Reis, e hoje somos perto de
60. Crescemos devagarinho, ocupamos a
posição quatro no Concelho, e posso dizerte que fora do Seixal já somos bastante
conhecidos ao ponto de sermos muitas
vezes convidados para eventos de outras
Casas. Claro que a tendência é melhorar, a
tendência é um dia termos formação, é esse
um dos nossos objectivos, ter formação para
condignamente podermos representar o
Benfica em termos federados, seja em pista
ou corta-mato, porque um dos objectivos das
Casas é formar o atleta e o homem para um
dia ir para a casa-mãe. A Casa do Benfica
de Paredes é um exemplo disso, o Rui Silva,
que hoje está no atletismo do Benfica é um
dos grandes nomes do atletismo ao nível
nacional, nasceu desportivamente na Casa
do Benfica de Paredes, e nós também temos
o mesmo objectivo, ter um atleta ponto de
referência do Seixal no Benfica.
Falou em cerca de 60 atletas só no
atletismo, que são de variadas idades,
a maioria são do escalão de sénior para
cima, mas têm ainda alguns jovens.
Como é que esses jovens vieram parar ao
atletismo da Casa do Benfica do Seixal?
São os filhos de alguns atletas, são os
sobrinhos ou mesmo vizinhos dos nossos
atletas. Temos sido procurados por outros
pais na vertente de formação mas sempre
lhes disse que neste momento não dá, não
temos ninguém que os forme, pensamos ter,
mas neste momento não. Onde é que temos
apostado? É na malta mais experiente,
de mais idade, e temos tido frutos. Eles
próprios trazem atletas de outros lados,
eles gostam do ambiente e ficam.
Ainda há pouco tempo tivemos no
Corta-Mato das Seixalíadas e vi esse bom
ambiente. Os nossos atletas junto dos outros,
a amizade que existe entre todos, e entre as
colectividade deste Concelho e não só. Há
colectividades que vêm doutros lados, que
assiduamente vêm ao Seixal, e têm essa boa
relação connosco e sabem quem nós somos.

E o futuro? Passaram 10 anos, o que
falta fazer, o que se pode esperar para os
próximos anos?
A ideia é o crescimento e para esse crescimento
também a Casa tem de crescer, se calhar ter
outra visibilidade que não tem, arranjarmos
um outro local condigno e com visibilidade
e que os benfiquistas tenham orgulho na
Casa e venham mais vezes. Não é ter a Casa
onde ela está e estar fechada durante a parte
nocturna, nós queremos que os benfiquistas
comecem a frequentar a Casa à noite, porque
é uma Casa com sistema de bilhética e que
os benfiquistas tenham esta Casa como
referência para a compra de bilhetes.
Só durante a parte diurna é que a frequentam
para a compra de bilhetes e à noite também
tem de ser. O sítio onde ela está neste
momento é um local não apropriado para se
andar durante a noite porque tem pouca luz
e quem lá vai pode ter receio de lá passar, e
nós precisamos de mais visibilidade. Estamos
à procura, há umas propostas engraçadas e
vamos tentar que isso aconteça. Mas o futuro
é o crescimento, não só no local mas também
em modalidades…
Que modalidades gostava então de
implementar na Casa do Benfica do
Seixal?
Se calhar o Andebol, o Xadrez, as Damas,
a Sueca… Termos aquelas modalidades de
pavilhão como o Voleibol, o Basquetebol
e a Casa de Benfica de Palmela é uma
referência nessa modalidade. O Montijo
também o tem. O Seixal é conhecido pelo
basquetebol a nível nacional e quem o diz
que nós não o possamos ser também? É
uma questão a aprofundar, desde que haja
patrocínios e as entidades estejam atentas a
essa situação.
Mas por enquanto Futsal e Atletismo são
o futuro, como o futsal pode sê-lo a nível
distrital. Já fomos convidados a participar
a nível distrital mas financeiramente não
podemos, as taxas de inscrição são muito
altas, a própria deslocação entre o Seixal e
outras localidades é complicada, não temos
veículo próprio, temos de andar com veículos
da Câmara Municipal ou com os nossos
veículos e neste momento ainda não. Mas
já pensamos que daqui a dois ou três anos
estarmos na Distrital e já estamos a fazer
uma equipa nova no Futsal, com malta nova,
terem ideia do que é a Casa e irmos para a
Distrital. E não sei se sabem, mas esta Casa
já tem o nome marcado no Sport Lisboa

e Benfica em termos de história, fomos a
Campeã Mundial da 3.ª Edição do Mundial
de Casas do Benfica, no Estádio da Luz.
Fomos os campeões mundiais e temos a
Taça da nossa sede, para quem quiser vê-la.
Tivemo-la exposta nas festas populares e a
população ficou admiradíssima porque não
sabia, e claro que foi com os jogadores que
estiveram cá no passado, passado esse que
deixou de existir e agora temos é de pensar
no futuro, com outros objectivos e com outra
formação a nível de homem e de atleta, é por
aí.
Não posso deixar de agradecer à colectividade
do CRD das Cavaquinhas pelo facto de
ser a nossa casa-mãe em termos de Futsal, é
aqui que iniciamos o campeonato, estamos
mais perto do Seixal. No passado estávamos
no CDC Casal do Marco, e uma palavra
de agradecimento para com eles porque
durante todos estes anos, na pessoa do actual
presidente em exercício que é o Bruno Ramos,
nos acolheu e nos ofereceu as melhores
condições possíveis, mas nós entendemos
que temos de estar próximos dos seixalenses.
Temos de estar perto da nossa casa, e então
o objectivo Cavaquinhas é por aí, para ver se
os benfiquistas nos acompanham. Porque
é engraçado que em cada colectividade que
visito, todos me dizem que lá é que é a casa
do Benfica. Vejo sempre as colectividades
cheias, ao contrário da Casa do Benfica que
não a vejo, será que é do local, será que não
está entranhado, será que é das colectividades
terem muitos anos e os benfiquistas já as
frequentam há muito tempo… O facto é
que essas colectividades onde entro, até nas
Cavaquinhas me dizem isso, gosto de ouvir
e agora vamos ver se efectivamente acontece
nos jogos.
Quero também fazer um agradecimento
ao Poder Local, à Câmara Municipal
do Seixal por todas as condições que
nos tem dado, à Junta de Freguesia
do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio
Pires também pelo apoio que nos tem
dado, e não esquecendo todas as outras
freguesias que sabendo que a Casa do
Benfica do Seixal existe e sabem que não
é exclusiva do Seixal, é uma Casa de todo
o Concelho do Seixal. Há quem também
tenha historicamente a ideia de que Seixal
e Amora não possam coexistir, eu sou
almadense, não pertenço ao Concelho e a
minha ideia é completamente o contrário,
nós somos a Casa do Benfica de todo o
Concelho do Seixal, não só da freguesia.

AGENDA

CSS | 27 de Outubro de 2017

13

24 HORAS
A NADAR

XVIII ENCONTRO
DE BANDAS FILARMÓNICAS
O SEIXAL E A MÚSICA

ALA DOS NAMORADOS NO SEIXAL

A Sociedade Filarmónica Democrática Timbre Seixalense e a Sociedade
Filarmónica União Seixalense recebem este fim-de-semana mais um Encontro
de Bandas Filarmónicas “O Seixal e a Música”.
Amanhã será a vez da União Seixalense recebe os concertos das bandas
da Associação Musical e Artística Lourinhanense (Lourinhã), da Associação
Filarmónica de Tarouca, além do concerto pela banda da casa.
No dia seguinte será a vez do Salão da Timbre Seixalense receber os
concertos pelas bandas da Sociedade Filarmónica Instrução Cultural da
Gançaria (Santarém), da Sociedade Filarmónica Olhalvense (Alenquer) e da
Sociedade Filarmónica Democrática Timbre Seixalense, banda da casa.
A entrada para os concertos é gratuita.

Das 9 horas do dia 28 de Outubro
às 8 horas do dia 29, as Piscinas Municipais de Amora vão receber mais
uma edição das 24 Horas a Nadar.
A iniciativa, que vai na sua 18.ª
Edição, é de inscrição livre e pode
ser feita via e-mail, através de vinteequatrohorasanadar@gmail.com, ou
por telefone 212 229 966 e telemóvel
963 732 551.
As 24 Horas a Nadar são organizadas pelo Clube de Campismo Luz e
Vida e contam com o apoio da Câmara Municipal do Seixal, esta iniciativa está inserida no âmbito dos Jogos
do Seixal.

O Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal recebe no dia 4 de
Novembro, às 21h30, um concerto inserido na Tour Vintage da Ala dos
Namorados. O mais recente trabalho discográfico da Ala dos Namorados deu
nome à turné de 2017, é o mote para festejar uma das bandas portuguesas com
maior longevidade e reconhecimento. Com a sua sonoridade muito própria, os
seus temas e abordagens musicais são imediatamente reconhecidos.
A banda é liderada por Nuno Guerreiro, que vai fazer-se acompanhar por
Manuel Paulo (piano), Zé Nabo (baixo), Mário Delgado (guitarras), Alexandre
Frazão (bateria/percussão) e Rúben da Luz (trombone). O concerto conta ainda
com a participação especial de Daniela de Brito (violoncelo) e José Conde
(trompete). Os bilhetes têm o valor de 12 euros.

POP.UP ART MARKET OUTONO
Com decorações de Halloween e disfarces feitos à mão dedicados à
quadra, o Mercado Municipal da Quinta do Conde recebe amanhã, das
9 às 13 horas, um Pop.
Up Art Market Outono
dedicado ao nosso Dia
das Bruxas.
O evento conta ainda
com workshops, espectáculos de rua e música ao
vivo, organizados pela
Anime – Mercado Jovem, conta com o apoio
da Câmara Municipal de
Sesimbra.

23.ª CORRIDA DE SESIMBRA
Realiza-se no Domingo, a partir das 10
horas, a 23.ª Corrida de Sesimbra. A prova,
limitada a mil participantes, vai ter um
percurso de 10 quilómetros, com partida
e chegada na Praça da Califórnia, num
percurso sempre à beira-mar.
A organização da Corrida fica a cabo
da Associação Desportiva O Mundo da
Corrida, e conta ainda com o apoio da
Câmara Municipal de Sesimbra e da
Federação Portuguesa de Atletismo.

Publicidade

CONVOCATÓRIA
DE ACORDO COM O DISPOSTO NO ARTIGO 25º DOS ESTATUTOS
DESTA ASSOCIAÇÃO, CONVOCO TODOS OS SÓCIOS REFORMADOS,
PENSIONISTAS E IDOSOS PARA A ASSEMBLEIA GERAL NA SUA SEDE
SOCIAL, NO DIA 21 DE NOVEMBRO DE 2017, PELAS 14.30 HORAS.
ORDEM DE TRABALHOS



Ponto um – Leitura e aprovação da acta da Assembleia anterior
Ponto dois – Discussão e aprovação do Orçamento Rectificativo de 2017
Ponto três – Discussão e aprovação do Plano de Actividades e Orçamento
para 2018

SE À HORA ACIMA CITADA NÃO HOUVER O NÚMERO DE SÓCIOS
SUFICIENTES, A ASSEMBLEIA FUNCIONARÁ 30 MINUTOS DEPOIS COM
QUALQUER NÚMERO DE ASSOCIADOS.
TORRE DA MARINHA, 24 DE OUTUBRO 2017
A PRESIDENTE DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL
Maria Amélia Godinho Barradas Carneiro
MARIA AMÉLIA GODINHO BARRADAS CARNEIRO

Sede Social: Rua Luís de Camões, 28C | Torre da Marinha | 2840-440 Seixal | 212224597-967271649-917123491 | aurpitm@
gmail | 501375201

LAZER

CSS | 27 de Outubro de 2017

14

SOPA DE LETRAS

cinema
JIGSAW – O LEGADO DE SAW

Flores

Consultas Personalizadas: 210 929 000
E-mail: mariahelena@mariahelena.pt

Carneiro

21-03 a 19-04

27/10 a 02/11

Amor: Amor: Sentir-se-á liberto para expressar os
seus sentimentos e amar espontaneamente.
Saúde: Estará melhor do que habitualmente.
Dinheiro: Boa altura para pedir aquele aumento ao seu
chefe.
Números da Sorte: 14, 27, 23, 5, 10, 36

Touro

20-04 a 20-05

Amor: Irá sentir necessidade de se isolar para fazer
uma análise à sua relação. Oiça o seu coração...
Saúde: Tendência para se sentir um pouco febril e sem
energia.
Dinheiro: O seu rendimento poderá não ser tão bom
quanto deseja.
Números da Sorte: 4, 17, 45, 13, 23, 10

Gémeos

21-05 a 20-06

Amor: Ignore comentários maldosos de pessoas
indesejáveis. Não dê ouvidos a calúnias e intrigas!
Saúde: Poderá sentir-se debilitado e febril.
Dinheiro: Procure não desistir dos seus objetivos.
Números da Sorte: 14, 23, 38, 44, 16, 7

Caranguejo

dr

Cravo Dalia
Girassol Hortensia
Lirio Magnolia
Margarida Narciso
Orquidea Rosa
Tulipa Violeta

SUDOKU

21-06 a 22-07

Amor: Anda muito nervoso, o que poderá provocar
algumas discussões com os seus familiares mais
chegados.
Saúde: Sentir-se-á muito bem física e espiritualmente.
Dinheiro: Previna-se contra tempos difíceis.
Números da Sorte: 12, 46, 33, 25, 6, 22

Leão

John Kramer (Tobin Bell), o sádico que é o
principal responsável pela tortura toda da saga
"Saw", está morto há mais de dez anos. Apesar
disso, alguns homicídios macabros resultam
numa série de cadáveres, todos mortos de uma
maneira que seria bastante típica de Jigsaw, o
nome pelo qual Kramer é conhecido.
Depois de "Saw 3D - O Capítulo Final",
de 2010, retoma-se aqui a popular saga de
terror iniciada por James Wan – aqui produtor
executivo – em 2004.

música
ANA BACALHAU
NOME PRÓPRIO

23-07 a 22-08

Amor: Ponha em prática os sonhos e as fantasias
que tem tido. Nunca desista dos seus sonhos!
Saúde: Faça um exame à vista.
Dinheiro: Poderá receber a notícia de uma promoção
profissional.
Números da Sorte: 22, 13, 10, 47, 15, 3

Virgem

23-08 a 22-09

Amor: Seja mais consciencioso para não criar mal-­
‑entendidos com o seu par. Preocupe-se em ser bom
e justo pois será feliz!
Saúde: Proteja a sua pele.
Dinheiro: Prevê-se estabilidade na sua vida financeira.
Números da Sorte: 37, 29, 46, 10, 1, 22

Balança

23-09 a 22-10

Amor: Dê mais liberdade ao seu parceiro. Não
ponha de parte aqueles que ama, cuide deles
com carinho.
Saúde: Cuide do seu sistema digestivo.
Dinheiro: Esteja atento às novidades no seu
local de trabalho.
Números da Sorte: 14, 33, 12, 25, 4, 17

Escorpião

23-10 a 21-11

Amor: O egoísmo é uma característica que deve
moderar. Combata a sua fraqueza e fortaleça as suas
virtudes.
Saúde: Procure com maior frequência o seu dentista.
Dinheiro: Tente conter-se um pouco mais nos seus
gastos.
Números da Sorte: 11, 23, 44, 26, 24, 49

Sagitário

22-11 a 21-12

Amor: Seja sincero com a sua cara-metade. Fale
sobre o que é verdade, necessário e carinhoso.
Saúde: Momento indicado para fazer a introspeção
que tanto necessita.
Dinheiro: Altura de maior lucidez sob o ponto de
vista financeiro.
Números da Sorte: 14, 36, 28, 44, 16, 1

Capricórnio

dr

SOLUÇÃO

Amor: Não deixe que a sua teimosia deixe marcas
numa amizade. O seu bem-estar depende da forma
como encara os problemas.
Saúde: Poderá sentir sintomas que denunciam uma
gripe.
Dinheiro: O seu desempenho profissional e agilidade
poderão estar a ser postos à prova.
Números da Sorte: 17, 42, 35, 19, 2, 23

Aquário

Publicidade

Depois de 10 anos a dar voz às canções dos
Deolinda, Ana Bacalhau estreia-se a solo com
“Nome Próprio”. O single de apresentação é
“Ciúme”, um tema pop, composto por Miguel
Araújo. “Nome Próprio” teve produção de
Ana Bacalhau e João Bessa e conta com a
participação de vários artistas nacionais
como Samuel Úria, Jorge Cruz, Nuno Prata,
Afonso Cruz, Nuno Figueiredo, Capicua,
Miguel Araújo, Márcia, Nuno Figueiredo,
Carlos Guerreiro e Francisca Cortesão.

22-12 a 19-01

20-01 a 18-02

Amor: Respeite os sentimentos do seu par, não seja
tão narcisista. Procure intensamente sentimentos
sólidos e duradouros, espalhando em seu redor
alegria e bem-estar!
Saúde: Uma ligeira dor de cabeça poderá afetar o
seu dia.
Dinheiro: Estabeleça as prioridades a que deseja
dar seguimento.
Números da Sorte: 3, 25, 46, 11, 27, 46

Peixes

19-02 a 20-03

Amor: Evite conflitos familiares, tente acalmar a
situação. Procure ter uma vida de paz e amor.
Saúde: Ao jantar opte por comer uma sopa.
Dinheiro: Vá trabalhar tranquilamente e deixe o
stress em casa.
Números da Sorte: 12, 28, 33, 41, 47, 70

DESPORTO

CSS | 27 de Outubro de 2017

15

Sorteio da
I Eliminatória
da Taça AFS
realizado

Já estão definidos os jogos da I
Eliminatório da Taça AFS, num sorteio
que contou com cinco equipas dos
concelhos de Seixal e Sesimbra.
As equipas da AD Quinta do Conde,
GD Sesimbra e Seixal Clube 1925 têm
deslocações fora: a AD Quinta do Conde
vai ao terreno do União SC de Santiago
do Cacém, o GD Sesimbra desloca-se
ao terreno do Palmelense FC e o Seixal
Clube 1925 visita o Vasco da Gama AC
de Sines. Já o Amora FC e o GD Alfarim
recebem os seus adversários em casa. O
primeiro defronta o Estrelas de Santo
André ACRD, enquanto o segundo joga
com o Charneca de Caparica FC.
Todos os jogos estão agendados para dia
30 de Dezembro, com início marcado
para as 14h30.
Publicidade

2.ª Jornada da 2.ª
Divisão Distrital
Paio Pires FC e CCD Brejos de Azeitão foram os grandes vencedores
da 2.ª Jornada do Campeonato da 2.ª Divisão Distrital de Setúbal. Os
paiopirenses deslocaram-se ao terreno dos GD Pescadores da Costa da
Caparica e venceram por 1-2, seguindo assim na frente da classificação da
Série A com 6 pontos conquistados em dois jogos. Quem também segue na
frente da classificação com 6 pontos, mas na Série B, é o CCD Brejos de
Azeitão que voltou a vencer, desta vez o GD Lagameças por 3-0.
Ainda na Série A entraram em campo o GC Corroios frente ao ACR
Zambujalense que acabou empatado a uma bola. Este jogo ficou marcado
por erros na arbitragem que não permitiu mais de três substituições para
cada equipa, quando são possíveis cinco. Na Série B jogou também a AD
Quinta do Conde que empatou em casa frente ao GF Azul e Ouro.
Na próxima jornada, na Série A, o Paio Pires FC e o GC Corroios recebem
o CF Trafaria e o GD Pescadores da Costa da Caparica respectivamente,
enquanto o Seixal Clube 1925, que folgou na 2.ª Jornada, visita o Oriental
Dragon na Moita. O ACR Zambujalense fica de folga na 3.ª Jornada.
Na Série B, a AD Quinta do Conde recebe o GD Lagameças. Já o CCD
Brejos de Azeitão desloca-se a Santo André para defrontar a equipa local, o
Estrelas de Santo André.

CONVOCATÓRIA
Nos termos do Artigo 24º dos Estatutos da “APIRPF”,
convoco a Assembleia Geral, (sexta-feira) pelas 14h, na sede
da Associaçãopara o próximo dia 10 de Novembro de 2017,
na sede da Associação, Rua Mário Lopes Domingos n. 51-A,
Pinhal dos Frades, com a seguinte ordem de trabalhos:
Ponto um (1):
• Apresentação do “Plano de Acção”, para o ano 2018;
Ponto dois (2):
• Outros assuntos relacionados com a Associação;
Se à hora marcada não comparecerem mais de 50% dos sócios
com direito a voto, a Assembleia Geral, terá lugar meia hora
depois com qualquer número de presentes, em 2ª convocatória.

Pinhal dos Frades, 26 de Outubro de 2017
O Presidente
da Assembleia Geral
Aníbal Manuel Silvestre

Rua Mário Lopes Domingos, n.º 51 A Pinhal dos Frades, 2840-344 Seixal
Telf. 212243964 - Fax 216020362
Email:arpipf@sapo.pt

PUBLICIDADE

CSS | 27 de Outubro de 2017

16
16

28 DE OUTUBRO

GANHE ATÉ
€ 30 EM VALES
*

a
r
b
u
c
s
e
D elhores
as m

s
e
õ
ç
rp omlshoopping .net

em riosu

*Limitado ao plafond existente. Oferta de valor correspondente a 20% do valor
da compra efetuada, até ao máximo de 30€, em vales, por cliente, válidos até
dia 29 de novembro de 2017. Não dispensa a consulta do regulamento da
campanha na Administração do centro e em www.riosulshopping.net.


Documentos relacionados


Documento PDF comercio 348
Documento PDF comercio 349
Documento PDF comercio 323
Documento PDF comercio 332
Documento PDF comercio 345
Documento PDF comercio 321


Palabras claves relacionadas