Caja PDF

Comparta fácilmente sus documentos PDF con sus contactos, la web y las redes sociales.

Compartir un archivo PDF Gestor de archivos Caja de instrumento Buscar PDF Ayuda Contáctenos



Comércio 336 .pdf



Nombre del archivo original: Comércio 336.pdf

Este documento en formato PDF 1.5 fue generado por Adobe InDesign CS4 (6.0) / Adobe PDF Library 9.0, y fue enviado en caja-pdf.es el 05/05/2017 a las 01:21, desde la dirección IP 85.242.x.x. La página de descarga de documentos ha sido vista 982 veces.
Tamaño del archivo: 7.2 MB (16 páginas).
Privacidad: archivo público




Descargar el documento PDF









Vista previa del documento


Preço: 0,01

Publicidade

Semanário | Sexta-Feira | 5 de Maio de 2017 | Ano X | N.º 336

Publicidade

Director: Fernando Borges
DR

Mãe
Avó
Bisavó

PÁG. 2

MINISTRO
BRUNO RODRIGUEZ

ELEITOS
POR UM DIA

EX-TRABALHADORES DA
S.N.

Na sua recente visita oficial a Portugal,
trocámos umas breves palavras com
o Ministro de Relações Exteriores de
Cuba, que amavelmente enviou para o
“Comércio” as respostas às questões que
lhe colocámos.
Pág. 3

Alunos de Sampaio foram "eleitos por
um dia" na freguesia da Quinta do
Conde, numa iniciativa integrada na
denominada Assembleia Municipal
de Jovens, projecto desenvolvido pela
Assembleia Municipal de Sesimbra.
Pág. 5

Num processo que se arrasta pelos Tribunais há mais de 15 anos, actualmente
ainda existem cerca de 60 ex-trabalhadores numa situação precária e alguns com
grave carência económica e em risco de
exclusão social.
Pág. 6

Publicidade

CHÃO DE MARÉS
Colectânea de Poesia 2013-2016, é o
novo livro de Eufrázio Filipe, com lançamento marcado para o dia 6 de Maio,
sábado, pelas 17 horas, na Galeria Municipal Augusto Cabrita, no Fórum Cultural do Seixal.
Pág. 11

REPORTAGEM

CSS | 5 de Maio de 2017

2

a dona francisquinha

Celino Cunha Vieira

Sendo uma das pessoas mais idosas do concelho do Seixal, a dona Francisquinha - como gosta de ser
carinhosamente tratada - tem 101 anos e passa as tardes no edifício da Associação Unitária de Reformados
Pensionistas e Idosos do Seixal.

editorial

A origem do Dia da Mãe remonta
às comemorações primaveris da Grécia
Antiga, em honra de Rhea, mulher de
Cronos e Mãe dos Deuses. Em Roma, as
festas eram dedicadas a Cybele, a Mãe
dos Deuses Romanos e as cerimónias
em sua homenagem começaram por
volta de 250 anos antes do nascimento
de Cristo.
Em Portugal, o Dia da Mãe chegou a
ser comemorado a 8 de Dezembro, dia
de Nossa Senhora da Conceição, mas
passou a ser celebrado no 1º domingo
de Maio, em homenagem à Virgem
Maria, mãe de Cristo.
Esta data é apenas um símbolo,
porque o Dia da Mãe é todos os dias
desde que o pequeno grãozinho começa
a germinar dentro de si, prolongandose por toda a vida até que a morte os
separe fisicamente.
Nesta edição fomos falar com uma
Mãe, já centenária, que nos relatou
as suas experiências de uma vida
longa totalmente dedicada à família
e inserimos alguns depoimentos
dedicados às respectivas mães.
Tivemos a honra de receber do
Ministro de Relações Exteriores de
Cuba respostas às questões por nós
formuladas,
endereçando
Bruno
Rodriguez através do nosso Jornal
uma saudação ao povo português pela
passagem do 43.º Aniversário do 25 de
Abril.
Ouvimos também alguns extrabalhadores da extinta Siderurgia
Nacional que há mais de 15 anos
esperam que se faça justiça sobre a
condição para que foram “empurrados”
com falsas promessas, havendo quem
esteja numa situação de grave carência
económica e em risco de exclusão
social. Para além dos aspectos legais,
urge encontrar uma rápida solução que
os possa compensar dos danos morais e
materiais sofridos ao longo de muitos e
muitos anos.
Longe vão os tempos da rivalidade
associativa e nos nossos dias já é possível
assistir a concertos musicais com a
participação das Bandas Filarmónicas
dos “Franceses” e dos “Prussianos”,
como o realizado no passado dia 22 e a
que assistimos.
Relatamos a experiência de três jovens
que foram “eleitos” por um dia na Junta
de Freguesia da Quinta do Conde,
podendo assim perceber melhor como
é o trabalho autárquico e quem sabe,
virem a ser no futuro eleitos de verdade
para assim poderem ajudar a resolver os
problemas locais. Estas acções, que são
de louvar, podem certamente contribuir
para que os nossos jovens se interessem
mais por questões reais e não se deixem
levar por pseudo-jogos que aparecem
na internet com nome de baleias azuis,
verdes ou amarelas.

visível no seu rosto que sofreu
“muito com a perda mas nunca
baixei os braços” e foi dessa forma
que a dona Francisquinha, tal
como muitos outros moradores do
concelho, trabalhou muitos anos
na Wicander, uma das empresas
históricas do concelho do Seixal.
Está actualmente a viver com a
sua filha e passa as tardes no Centro
de Dia da AURPIS. “Há cerca de
cinco anos que passo as tardes aqui
no Centro de Dia. Vivia sozinha
numa casa muito antiga, a minha
filha não achava bem e por isso vivo
agora com ela e passo as tardes aqui
no Centro de Dia”.
A dona Francisquinha diz-nos
que tem “bons amigos” no Centro
de Dia mas que a sua melhor amiga
é a dona Narcisa. “Fartamo-nos de
falar à tarde, é um fartote”.
Recentemente teve um percalço
na sua vida “tive internada no
Hospital Garcia de Orta por causa
do coração”. Confessou-nos que
pensou que era “desta que não

A dona Francisquinha volta
rapidamente a falar de coisas mais
alegres e diz-nos que a sua filha,
neta e bisneta são muito amigas
dela. “Gosto mesmo muito delas
três, mesmo muito”, mas confessa
que a “luz dos meus olhos é a minha
bisneta, tem três aninhos e é uma
delícia”.
Neste dia da Mãe que se celebra
este Domingo, dia 7 de Maio, a
dona Francisquinha fez questão
de deixar uma mensagem a quem
mais ama, “estou muito feliz e sinto
muito amor pelas minhas meninas
e estou mesmo muito agradecida
pela forma como me trataram
e continuam a tratar. Amo-as
incondicionalmente”.
Longa vida à dona Francisquinha!

Francisca do Carmo Rodrigues
é o seu nome, mas confessa que
gosta mais de ser tratada por “dona
Francisquinha, porque é assim
que todos me tratam e eu gosto”.
A dona Francisquinha contou-nos
um pouco da sua história de vida,
embora o tempo que passámos com
ela ”foi pouco para tantas histórias
que ficaram por contar”.
Começou por dizer-nos que é
“nascida e criada” no Seixal, foi
viver para a Aldeia de Paio Pires
muito nova, onde viveu durante
cerca de 50 anos. “Esta terra deume muitos e bons amigos e criei
grandes laços de amizade”, amigos
esses que “ainda hoje recordo com
muito amor e carinho”.
A dona Francisquinha contounos que tem uma filha, uma neta
e uma bisneta. “A minha filha
nasceu quando eu tinha 32 anos”
mas que infelizmente a teve de criar
sozinha “o meu marido morreu
quando a minha filhota era ainda
muito pequenina, criei-a sozinha
com muito sacrifício e com muito
trabalho. Foram tempos muito
difíceis”, recorda.
Confessa-nos
com
emoção

Administração, Redacção
e Publicidade

Director: Fernando Borges - CP1608
Registo do título: 125282
Depósito Legal: N.º 267646/07
Contribuinte N.º 194 065 499
Propriedade e Editor: Ângela Rosa

me safava e que não voltava a ver
a milha filha, neta e bisneta”.
Felizmente tudo não passou de um
susto e acabou por regressar a casa
para junto da sua filha.

Av. José António Rodrigues, n.º 45, 2º
2840 - 078 Aldeia de Paio Pires
Telm. 969 856 802
Telf. 210 991 683
comerciodoseixal@gmail.com
http://jornalcomerciodoseixalesesimbra.wordpress.com
Facebook: Comércio do Seixal e Sesimbra

Director Adjunto: Celino Cunha Vieira TE1218
Directora Comercial: Ângela Rosa
Paginação: Sofia Rosa
Repórter: Fernando Soares Reis CP6261
Colaboradores: Adriana Marçal, Agostinho António Cunha,
Alvaro Giesta, ANIVET - Consultório Veterinário, Dário Codinha,
Fernando Fitas CP2760, Hugo Manuelito, José Henriques, José
Lourenço, João Araújo, Jorge Neves, José Mantas, José Sarmento,
Maria Vitória Afonso, Maria Susana Mexia, Mário Barradas, Miguel

Boieiro, Paulo Nascimento, Paulo Silva, Pinhal Dias, Rúben Lopes,
Rui Hélder Feio, Vitor Sarmento.
Impressão: Funchalense - Empresa Gráfica, S.A.
Tiragem: 15.000 exemplares
O «Comércio» não se responsabiliza nem pode ser responsabilizado pelos
artigos assinados pelos colaboradores. Todo o conteúdo dos mesmos é da
inteira responsabilidade dos respectivos autores.

ENTREVISTA

CSS | 5 de Maio de 2017

3

saudação do ministro de relações
exteriores de cuba
Na sua recente visita oficial a Portugal, trocámos umas breves palavras com o Ministro de Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodriguez Parrilla,
que amavelmente enviou para o “Comércio” as respostas às questões que lhe colocámos.
DR

Mantendo-se o criminoso bloqueio
comercial, económico e financeiro por
parte dos EUA a Cuba, com a nova
administração encabeçada por Trump
poder-se-á ter esperança que o mesmo
termine?

tem manifestado e continua a manifestar
a sua vontade de conviver civilizadamente
com os E.U. e construir um novo tipo
de relação que antes nunca podemos
estabelecer, nem nunca existiu entre
os Estados Unidos e Cuba. O desafio é
estabelecer uma nova relação sobre a base
São conhecidas as diferenças históricas do respeito mútuo, do avanço em temas
e actuais entre os dois governos, mas Cuba de interesse comum e o reconhecimento
Publicidade

absoluto da nossa independência e
soberania. Fala-se da existência de
uma revisão política e esperamos que
contemple o apoio maioritário existente
em amplos sectores dos Estados Unidos
e na maioria da emigração cubana, com
vista ao avanço positivo nas relações e ao
levantamento do bloqueio contra Cuba,
que ainda persiste, em particular no sector
financeiro, o que constitui um obstáculo
para os nossos vínculos económicos com
a Europa.

e o crescimento do turismo. Ambos
os governos consideramos que ainda é
grande o potencial e que podemos fazer
muito mais para aproveitar as vantagens
comparativas e a complementaridade
das nossas economias, países que mais a
mais têm uma dimensão geográfica e de
população similar.

Como sabe, no passado dia 25 de
Abril comemorou-se o 43.º aniversário
da “Revolução dos Cravos”. Quer o
senhor ministro Bruno Rodriguez
As relações diplomáticas entre dirigir através do “Comércio” uma
Portugal e Cuba têm quase um século saudação ao povo português?
e nos últimos anos incrementaram-se,
tendo pela primeira vez uma visita de
Sem dúvida, a Revolução dos Cravos
um presidente português a Cuba e cá é um acontecimento inesquecível que
de alguns ministros e vice-ministros. mudou a história de Portugal e marcou
Qual é a importância destas relações? a história contemporânea. Também foi
um feito que aproximou mais os nossos
São relações que no próximo ano países, já próximos pela sua história e pela
cumprirão um século e que se têm sua cultura. Felicito todos os portugueses
caracterizado pelo respeito mútuo, porque a Revolução de Abril pôs fim a
o intercâmbio cultural e a simpatia, uma ditadura, abriu as portas à liberdade
próxima entre os nossos povos. Nos e ao desenvolvimento.
últimos anos temos visto que esta boa
relação tem sido acompanhada por
um aprofundamento do intercâmbio
institucional em todas as ordens, com um
incremento das visitas de alto nível em
ambos os sentidos, a assinatura de acordos,
o aumento do comércio e do investimento

SOCIEDADE

CSS | 5 de Maio de 2017

4

Histórias Associativas*(12)

o vozeiro

Rui Hélder Feio

Pergunta: Bateram no meu carro e
fugiram. Disseram-me que posso recorrer a um fundo das seguradoras para estes casos, com proceder?

Sociedade Filarmónica
União Seixalense Histórias
de um reduto Prussiano

Resposta: Existe efetivamente um
fundo público, gerido pela Autoridade
de Supervisão de Seguros e Fundos de
Pensões que indemniza as vítimas pelos
danos resultantes de acidentes de viação
sempre que o responsável é desconhecido ou não tem seguro válido.
No caso de danos materiais, o fundo
indemniza quando se conhece o responsável pelo acidente, mas não tem seguro
válido ou se desconhece o responsável ou
o veículo causador do acidente não tem
seguro válido, foi abandonado no local
do acidente e a polícia elaborou o auto e
confirmou o abandono.
Deverá participar o acidente nos serviços da Av. da República, Nº 59, em
Lisboa ou descarregar os formulários no
site www.asf.com.pt e enviá-los por correio ou para fga@asf.com.pt.
Além dos dados do acidente, do lesado e do veículo responsável, inclua uma
descrição e um esboço do acidente, identifique as testemunhas e mencione os danos materiais.
O fundo marca a peritagem até dois
dias úteis após a participação, tendo um
prazo de 8 a 12 dias para a concluir. O
relatório é emitido até quatro dias depois.
O fundo tem 32 dias úteis, após a
participação, para informar o lesado e o
responsável (quando conhecido) se paga
o arranjo do veículo.
Em caso positivo, o responsável pelo
sinistro tem cinco úteis para contestar e
apresentar eventuais provas. Por sua vez,
o fundo tem dois dias úteis para tomar
uma decisão final.
Se o fundo assumir a responsabilidade, deve pagar a reparação no prazo de
oito dias úteis. Posteriormente, pode
exigir o reembolso do montante, acrescido de juros de mora, ao proprietário
ou condutor do veículo causador do acidente.
Havendo danos corporais, o fundo
tem 60 dias após a participação para
pedir exames. A avaliação dos danos
corporais é feita por um perito médico.
Quantificados os danos, tem um prazo
de 45 dias para comunicar se assume a
responsabilidade e apresentar uma proposta de indemnização.
Escolha os serviços de um profissional, contacte o Solicitador.

A Sociedade Filarmónica União Seixalense,
vulgarmente designada por Sociedade Nova,
foi fundada em 1871, por um numeroso grupo
de seixalenses que, discordando da postura
assumida pelos dirigentes da Timbre no decurso
da guerra franco-prussiana e da orientação
vertida numa proposta de alteração aos estatutos
apresentada numa conturbada assembleia
geral promovida para o efeito, resolveram
protagonizar uma das mais profundas cisões
ocorridas na história do movimento associativo
do concelho.
As influências do aludido conflito bélico
estender-se-iam a diversos países da Europa,
que acabaram por se ver a braços com inúmeras
convulsões políticas provocadas pelo facto de
uma parte dos seus habitantes assumir a defesa
de uns, enquanto a outra tomava o partido do
oponente.
Essa clivagem da opinião pública internacional,
reflectir-se-ia, aliás, aos diferentes níveis do
quotidiano das populações, que expressavam
das mais diversas formas a sua simpatia por cada
um dos contendores.
Entre nós, o Concelho do Seixal não foi
excepção, adquirindo esse antagonismo aspectos
de uma rotura tão forte que se perpetuaria
por quase um século. De um lado estavam os
simpatizantes da causa francesa, do outro os
progressistas, que não esquecendo os actos de
barbárie cometidos pelos gauleses durante as
invasões napoleónicas, se rebelaram contra a
propaganda das ideias francesas veiculadas pela
maioria dos corpos gerentes da colectividade.
Ante o acalorado quadro que se vivia e as

frequentes altercações que se registavam entre
consócios, fruto da manifesta impossibilidade
de convivência entre as partes, decidiram, então,
os segundos, optar por abandonar a agremiação,
iniciando assim o processo de criação de uma
colectividade que representasse os valores pelos
quais pugnavam.
Tão profunda divergência, acentuada ainda
pelo facto de a Timbre se haver colocado ao lado
do Partido Regenerador na defesa da extinção
do concelho e a União se encontrar entre os
adeptos do Partido Progressista que pugnava
pela sua refundação, propiciava uma rivalidade
de tal modo exacerbada que chegava ao ponto
do confronto físico.

Adelino Cunha:
“Desde criança que a União
é a minha segunda casa”
Testemunha privilegiada dessa rivalidade e
do fervor que caracterizava a vida da União
Seixalense, é Adelino Cunha, 67 anos, neto de
um dos fundadores do Seixal Futebol Clube e
filho de um antigo jogador do clube, os quais
exerceram ainda diversos cargos directivos na

Fernando
Fitas

aludida sociedade filarmónica.
“Só o meu avô,” diz, “foi sete vezes presidente da
direcção, além de ser também filarmónico. Mas,
em dada altura, por força de uma divergência
decorrente da sua discordância relativamente
à decisão tomada pela direcção de recusar o
convite da paróquia para que, à semelhança
dos anos anteriores, a banda participasse na
procissão de S. Pedro, resolveu abandonar a
actividade associativa. Isso ocorreu no período
da implantação da República e a sua tomada
de posição forçou-o a andar a monte, durante
alguns dias, conjuntamente com o padre
Augusto, de Arrentela. O mesmo sucedeu com
os que, tal como ele, defenderam a integração
da banda no cortejo litúrgico ”
Segundo Adelino Cunha, “a posição de meu avô,
radicava unicamente no facto de ser um homem
que professava a religião católica, mas porque
nesse época a religiosidade era considerada
sinónimo de reaccionarismo, motivou a ira
dos restantes consócios simpatizantes do
republicanismo.
Não obstante, a banda ter regressado no ano
seguinte participado ao cortejo, tal bastou
para que ele não voltasse a por os pés na
colectividade. Situação algo parecida voltaria,
aliás, a passar-se comigo em 1977, embora eu
não me haja demitido de sócio, nem tenha
deixado de lá entrar, por entender que grande
parte da minha vida havia sido gasta dentro
daquela casa, deixei, contudo, de dar os meus
préstimos à colectividade.
Nesse sentido, e, porque ao tempo,
desempenhava também as funções de primeiro
secretário da Mesa da Assembleia Geral da
Federação Portuguesa das Colectividades de
Cultura e Recreio, em representação da União,
aprestei-me a apresentar a minha demissão do
cargo.”
Ainda assim, sempre que, por uma ou outra
razão, algum elemento dos corpos gerentes da
agremiação o interpelava sobre determinado
acontecimento ocorrido na União ou lhe
solicitava os seus conhecimentos acerca da
melhor forma de levar a cabo qualquer iniciativa,
não deixava de dar a sua opinião. “O apelo das
raízes falava mais alto,” confessa.
Fotos: Artur Marques (Atchixa)

*Excertos de “Histórias Associativas- Memórias da Nossa
Memória – 1º Volume AsFilarmónicas”. Edição Câmara
Municipal do Seixal.-2001.

ROSTOS DO SEIXAL
MARIA JOSÉ BARRADAS
MAURÍCIO (1950)
DR

Envie a sua questão para:
duvidas@ruifeio.pt
Publicidade

Licenciada em Filosofia pela Faculdade de
Letras da Universidade de Lisboa e Mestre em
Estudos sobre Mulheres pela Universidade
Aberta de Lisboa, desempenhou funções de
direção e de formação na área de recursos
humanos em diversas entidades oficiais,
particulares e sindicais, nomeadamente, no
desenvolvimento e execução de projetos no

âmbito europeu. Foi professora do ensino
particular e cooperativo e atualmente é
formadora/consultora na área Educação para
a Cidadania, Relações Humanas e Igualdade
de Género. Tem diversos trabalhos e artigos
publicados sobre Igualdade entre Mulheres
e Homens, em revistas como: Seara Nova,
Vértice e outras. É co-autora do livro Pensar o
Feminino, organização de Maria Luísa Ribeiro
Ferreira, Centro de Filosofia da Universidade
de Lisboa, publicado pelas Edições Colibri em
2001 e autora do livro Mulheres e Cidadania:
Alguns Perfis e Acção Política (1949-1973),
publicado pela Editorial Caminho, em 2005.
O seu mais recente trabalho “Memória
e Vida em Tempos de Abril – Estórias de
Liberdade e Libertação” será apresentado na
Biblioteca Municipal do Seixal, no próximo
dia 20 de maio, às 16 horas, com a presença

da autora. Esta obra conta com prefácio do
Coronel Andrade da Silva, sendo um relato
desta professora e escritora que vive no concelho
do Seixal, para que ajude a permanecer viva a
memória da época da Revolução dos Cravos
de 1974.
Envie a sua sugestão de «Rosto do Seixal» para:
comerciodoseixal@gmail.com

Mário Barradas

entrevista

CSS | 5 de Maio de 2017

5

Alunos de Sampaio foram "eleitos por um
dia" na freguesia da Quinta do Conde
Carolina Gomes, Hugo Neves e Ana Sofia Alves, alunos do 9º ano da Escola Secundária de Sampaio foram eleitos por um dia na Freguesia da Quinta
do Conde.

A iniciativa integrada na denominada
Assembleia Municipal de Jovens,
projecto desenvolvido pela Assembleia
Municipal de Sesimbra com o intuito de
proporcionar aos jovens que frequentam
os estabelecimentos de ensino do
concelho, um melhor conhecimento
do funcionamento e actividade das
autarquias sesimbrenses, permitiu aos três
alunos verificar “in Loco”, a realidade
quotidiana de um autarca de freguesia.
A actividade contemplou, por isso, o
acompanhamento dos afazeres diários
do presidente da autarquia; deslocações a
diversos locais onde a sua intervenção se fez
sentir visando a elevação da qualidade de
Publicidade

vida da população; alguns dos principais
projectos em curso na localidade e o
contacto com os serviços administrativos
da junta, em ordem a saber que tipo de
trabalho prestam à comunidade, a par
de um sem número de informações que
obtiveram ao longo desse dia.
“Quando saímos de casa não tínhamos
a mínima ideia do que era o trabalho
de um autarca de freguesia no seu diaa-dia”, confessam. “Pensámos que seria
apenas mexer em papéis e estar diante
do computador a ler e a responder a
mensagens, mas verificámos que é
muitíssimo mais do que isso”, afirmam.
Aliás, referem ainda, “o conhecimento

que ele tem de tudo o que se passa à sua
volta, vai ao ponto não apenas de saber
onde fica cada uma das ruas, mas também
o nome de grande parte dos moradores,
o que nos surpreendeu, dado tratar-se de
um lugar habitado por tanta gente”.
Outro dos assuntos que concitou a sua
atenção, dizem, “é a colocação de peças
escultóricas na via pública, o que para
além de constituir uma forma de atrair
visitantes, embeleza a localidade e cria
referências em matéria de localização a
quem aqui se desloca, posto que o traçado
de um significativo número de ruas, é
muito semelhante, situação que, por
vezes, nos dava a sensação de estarmos
perdidos, sobretudo nas zonas onde não
havia essas referências públicas”.
Para além desses
aspectos,
os
jovens
estudantes, consideram
o projecto das hortas
solidárias, “uma boa
ideia“, por permitir às
pessoas “uma ligação à
natureza sem estarem
longe de casa,” ao mesmo
tempo que realçam a
importância do Parque
da Vila e recente
recuperação do Jardim do
Pinheiro Manso.
De acordo igualmente
com “os três jovens

autarcas” das notas menos positivas
que retiram da sua estada na freguesia,
salientam “a falta de manutenção
de alguns imóveis, cujas fachadas”,
sustentam, “poderiam ser usadas para a
colocação de grafitis artísticos, tal como
sucedeu em alguns bairros ou zonas
históricas de Lisboa.”.
De igual modo, manifestam a sua
incredulidade pela ausência de uma
escola secundária que sirva a juventude
da Quinta do Conde, “um absurdo para
o qual não encontram explicação, dado
tratar-se de uma grande necessidade,
devido à elevada população juvenil que
aqui reside”.

DR

DR

sociedade

CSS | 5 de Maio de 2017

6

universo paralelo

Dário S. Cardina Codinha

A moda Anti-Vax
Nos últimos anos algumas doenças
foram erradicadas. Como (perguntam
vocês)? Pelas terapias naturais? Não.
Pela negação da medicação pois são
lobbies farmacêuticos? Não. Foi pela
ciência e pela medicação? Sim! E como
reapareceram essas doenças? Foram
os bandidos das farmacêuticas? Não.
Foram os ignorantes? Sim! Este ano,
em Portugal, temos grupos de pessoas
que pensam estar mais protegidos por
não estarem vacinados. E não é que eles
estão certos? Mas só estão certos porque
os outros se vacinam e conferem a esses
incultos a imunidade de grupo, uma
espécie de barreira ou blindagem que
não permite o vírus chegar a eles pois
encontra a maior parte das pessoas, em
volta deles, protegidas.
A ideia anti-vacinas tomou força
com um artigo na revista Lancet, a 28
de Fevereiro de 1998, onde o cirurgião
Andrew Wakefield sugeria uma ligação
entre a vacina tríplice (sarampo,
rubéola e papeira) e o autismo. A base
do estudo era bastante pequena, de 12
crianças. Wakefield defendia que os
comportamentos autistas revelaram-se
após a vacinação. O artigo não tinha
grupo de controlo e a verificação por pares
não mostrou que estas alegações tivessem
consistência. Sabe, qual a razão do estudo?
Wakefield recebeu cerca de meio milhão
de libras para construir um caso contra
algumas farmacêuticas. Foi uma das
maiores fraudes ciências de sempre.
Vou-vos mostrar a vitória das vacinas
nos últimos anos: 1- Em Zurique, em
1882 não foi registado qualquer caso de
varíola devido à vacinação obrigatória.
Em 1883 revogou-se esta lei e a
consequência foi o aumento do número
de mortes por varíola nos anos seguintes.
2- Entre 1988 e 2010 o número de casos
de poliomielite baixou 99% devido a uma
campanha de vacinação. 3- Em 2003, um
grupo de imãs nigerianos afirmou que a
vacina contra a poliomielite servia para
os EUA espalharem a SIDA pelos países
islâmicos. O resultado da proibição da
vacinação chegou sob a forma de um
grande surto da doença.
Uma das alegações é que a vacina
contém timerosal, um composto que
contém mercúrio, e que este terá ligação
ao autismo. Se fosse verdade, os casos
de autismo estariam a reduzir já que o
timerosal está a ser substituído e não é
isso que se verifica. Por outro lado, uma
sardinha tem muito mais mercúrio do
que dezenas de vacinas.
As ideias de alterne funcionam e,
infelizmente a favor deles e contra o resto
da população. Pessoas vacinadas podem
contrair a doença pois a vacina não é
100% eficaz. E assim se espalha a doença,
através destes seres que, com tablets,
relógios, máquinas de café, telemóveis,
óculos, carros, tvs, etc, odeiam a ciência
e preferem viver na Idade Média. Mas
só se tiverem a tecnologia, para todos
verem que eles estão na moda destas
ideias. Para terminar, a desinformação
contra tratamentos é um crime de saúde
pública.

Ex-trabalhadores da Siderurgia
Nacional em situação
de grave carência económica
e em risco de exclusão social
Num processo que se arrasta pelos Tribunais há mais de 15 anos, actualmente ainda existem cerca de 60
ex-trabalhadores que reivindicam justiça para aquilo que consideram ter sido uma fraude por parte da
Administração da Empresa, que com falsas promessas os levaram a assinar rescisões com mútuo acordo.
desemprego cessou ao fim
de 3 anos e muitos deles
recebem
actualmente
apenas o Rendimento
Social de Inserção no
valor de 183,84 euros,
dependendo de familiares
e amigos para poderem
sobreviver, registando-se
já alguns casos de suicídio
pelo desespero a que
chegaram.

No âmbito da reestruturação da
Siderurgia Nacional e segundo o acordo
entre o Estado Português e a União
Europeia, tendo como primeiro-ministro
António Guterres e ministro da Segurança
Social e do Trabalho Ferro Rodrigues,
teriam de ser dispensados cerca de 800
funcionários. Após longo período de
negociações em que a SN era presidida
por Carlos Alberto Veiga Anjos e depois
substituído por Francisco Antunes da
Silva, 600 trabalhadores aceitaram a

reforma antecipada, restando 200 que
pela idade e pelo Plano Social que lhes
foi apresentado, foram para a situação de
desemprego com a perspectiva de serem
chamados no espaço de 6 meses a 1 ano
para frequentarem os cursos de formação
e serem reintegração nas novas Empresas
que viriam a ser criadas.
Sem que o tal Plano Social até hoje
tenha sido minimamente cumprido,
o tempo foi passando, o subsídio de

Segundo nos revelaram
os
representantes
do
grupo,
Nuno
Silva,
Manuel Augusto Martins
e José Carlos Marques,
com quem falámos, nem
Sindicatos nem Comissão
de
Trabalhadores
os
defenderam na altura,
ficando completamente desamparados e
sem qualquer apoio destas estruturas.
Se no plano legal o processo não está
concluído, até porque existe um recurso
para o Supremo Tribunal de Justiça que
ainda está pendente, o que importa é
o aspecto moral e o abandono dos 60
ex-trabalhadores da extinta Siderurgia
Nacional por parte das entidades oficiais
(Estado) com responsabilidades na
situação em que se encontram.

GUINÉ - “Parte minha”…
Os nossos estimados leitores ao verem
o titulo deste artigo, dirão para os seus
"botões": o que irá sair daqui!? Tenham
paciência e leiam com atenção que vão
saber a resposta à medida que vão lendo.
Há cerca de sete anos, mais
precisamente desde Maio de 2010 que
escrevo na imprensa regional artigos
variados. De entre essa variedade escrevi
alguns relacionados com a Guiné por ter
ali algo que me prende àquele território,
como vão compreender à medida que vou
escrevendo.
Em Novembro de 2010 eu escrevia o
seguinte: passo a citar… "Em 16 de Março
de 1970 "acendeu-se" em minha casa uma
luz com o nascimento da minha filha
Manuela, luz que se tinha apagado nos
anos de 1965 a 1968, na Guiné, quando
a minha mulher teve um aborto (não
espontâneo), e dois partos prematuros
com oito meses de gestação, que nasceram
vivos mas que não sobreviveram devido
às péssimas condições de assistência que
havia na altura, no hospital de Bissau, para
crianças que nascessem com dificuldades
respiratórias, ou outras, como foi o caso
dos meus filhos (um menino e uma
menina)". Fim de citação…
Em Março de 2011, com o titulo
Comissão de Serviço na Guiné, voltava a

escrever: "Em Agosto de 1964 parti para a
Guiné a fim de cumprir uma comissão de
serviço com a duração prevista de quatro
anos. Parti com o coração destroçado,
pois deixava cá os meus familiares, a
namorada (hoje minha esposa), os amigos
e tudo mais, que me causava um estado
de espirito por vezes mal-humorado e
aborrecido."
No mesmo artigo, a certa altura
escrevia o seguinte: "Além do que tenho
estado a mencionar, houve três momentos
que foram os mais difíceis de ultrapassar
e de suportar, a parte da maternidade
da minha mulher que correu muito
malenquanto lá estivemos e que nos
causou traumas que tivemos dificuldade
em ultrapassar, se é que os conseguimos
ultrapassar totalmente!" Fim da citação.
Os outros dois não tiveram a ver com
problemas familiares…
Em Fevereiro de 2017, com o titulo
COINCIDÊNCIAS!..., voltei a escrever
sobre o mesmo assunto, dizendo o
seguinte: "Em 2-02-17 ao assistir ao
telejornal das 20,00 hora, na RTP 1,
despertou-me a curiosidade quando
aquele canal transmitiu uma pequena
reportagem do funeral dum cidadão (que
neste momento não me lembro do nome),
natural da Guiné- Bissau, no cemitério de

Bissau.
A minha curiosidade avivou-se mais
quando a filmagem mostrou o portão do
cemitério que eu tão bem conheço. Fezme recuar no tempo até à década de 60,
quando por ali passei entre 1964 e 1968.
Foi com alguma nostalgia que recordei
esse período, porque não foi fácil, no
aspeto familiar, o que eu e a minha esposa
passamos durante esses anos…" Fim de
citação.
Senhores
leitores,
certamente
depois de acabarem de ler este texto já
compreenderam por qual foi o motivo
que eu dei este titulo a este artigo.
As pequenininhas cinzas dos meus
filhos juntaram-se às terras escaldantes
daquele cemitério e por arrastamento às
terras da Guiné-Bissau.
Eu, como pai, considero que "tenho
direito" a uma pequenina porção daquela
terra…
"Parte minha"…
José Mantas

publicidade

CSS | 5 de Maio de 2017

7

8

Dia da Mãe
Com toda a franqueza não sou muito simpatizante do Dia do ou da “qualquer coisa”. Hoje em dia há dias para tudo
e mais um par de botas. Não obstante, o Dia da Mãe ou do Pai tem a vantagem de, pelo menos nesse dia, se falar
no seu papel enquanto pais e educadores. Pelo menos nesse dia, em muitos lares, lá vem a florita ou a palavra amiga.
Haja um dia no ano! Essa vantagem ninguém lhe tira.
A minha mãe não é perfeita, ninguém o é. Nasceu em 1930 com um nome divino, Maria Divina e ainda por
cima, dos Santos. E era para ser Maria Divina da Providência, mais o resto. Imperou o bom senso e a misericórdia
simplificou para Maria Divina. Mas tem, de facto, algo de sobrenatural.
Lembro-me de, em garoto, ter medo de me perder. De ter medo do escuro. De ficar só. Onde o medo
desaparecia era no abraço da minha mãe. Na sua palavra sempre amiga, sempre reconfortante. No seu olhar gentil
e terno, divino. Se calhar deveria ter levado alguns tabefes numa ou noutra ocasião. Se calhar nem me teriam feito grande mossa. Mas nunca para além da
reprimenda verbal tive qualquer palmada ou abanão por parte da minha mãe (justiça seja feita e para que não pensem que poderia ter sido “compensado”
do outro lado o meu pai também não era de bater, mas dele, que apesar de não ter Divino no nome era a melhor pessoa que alguma vez conheci, para
além da minha mãe, falarei mais tarde).
Nunca ouvi uma discussão em casa. E não era porque as pessoas não falavam. Era porque se respeitavam. A minha mãe nasceu no ano em que morreu
a última escrava portuguesa. E tomou em si a tarefa de carregar o papel um pouco “escravo” de fazer tudo em casa. No tempo em que os homens nada
faziam em casa e em que os filhos que eram homens não tinham incumbências domésticas ela para além do trabalho vinha a casa numa correria servir
a comida que estava preparada de manhã cedo ou de véspera. E à noite o mesmo disco. Tentei lutar contra isto mas ela própria achava que assim é que
deveria ser e fazia-o por gosto e com gosto. Curioso que passados tantos anos ainda continuo a lutar para que ela não esteja sempre a “fazer”. Luta
inglória! E que assim continue por muitos anos.
Pena é que de tanto carregar nos braços. De tantas vezes nos retirar pesos das mãos. Eu já um homem feito e ela a tirar-me das mãos o saco das batatas
ou da fruta. “Deixa lá filho que a mãe carrega!”. A mãe sempre nos carregou e hoje com um ombro já operado e com o outro cheio de dores fazia tudo
de novo. E tinha as mesmas dores! E não se arrepende!Com todos os defeitos, ser mãe é carregar o peso dos filhos. Os seus problemas. As suas dores. A
minha mãe Divina fez isso e nunca saberei agradecer devidamente tudo o que fez por mim. O meu único agradecimento será um dia ouvir dos meus filhos
que herdei um pouco desta capacidade que está longe da perfeição mas que é o mais próximo do amor que um ser pode ter pelo outro. O amor de mãe!
Obrigado por tudo, mãe!
José Fernando Rodrigues dos Santos
Sou menino da mamã
A MÃE não se escolhe, ainda bem...
não teria feito melhor escolha.
Cresci sem nunca a perder de vista e
na vontade de não a desapontar.
Valorizo cada sorriso seu, embebido
nesse sentimento levei-a a concretizar
um sonho, fomos ao Estádio da Luz ver
um jogo do Benfica.
Ao sentar-se na bancada, foi gratificante ver o seu olhar de criança e o gesto
facial de felicidade, foi marcante no momento em que equipa encarnada entra
em campo ao som do hino benfiquista e olho para a minha super-mulher e vejo-a
chorar como um bebé, meu coração não cabia no peito.
Sou um privilegiado, tenho a melhor MÃE do mundo, e quando me toca à
campainha com uma travessa de arroz doce... é a melhor MÃE do universo.
Hugo Rodrigues

Quando somos pequenos achamos que as mães são seres
enviados do inferno para nos fazerem a vida negra. Durante um
longo período da nossa vida (achamos que) vivemos essa realidade:
“Levanta-te! Vai-te despachar!; Não te torno a avisar mais vez
nenhuma; O jantar já está na mesa”. Bem, na realidade e com
o passar dos tempos descobrimos que aquilo a que chamamos
pesadelo é apenas o modo que ela tem para mostrar que se
preocupa connosco, para mostrar que quer sempre o melhor para
nós e que apesar do pesadelo em que possamos (pensar) viver ela
vive um bem maior do que nós. É o trabalho, a casa, os filhos, as
responsabilidades e nós queixamo-nos porque temos de ir tomar banho quando está a dar um
filme espetacular na televisão. Obviamente que o modo como vimos a nossa mãe se altera com
os anos e hoje, com os meus 25 anos, percebo que não vivi pesadelo nenhum. Vivi e vivo uma
vida em que tenho a sorte de ter a mulher mais guerreira do mundo como minha mãe, como um
exemplo a seguir. Neste dia quero apenas dizer que te amo e que aconteça o que acontecer vou
estar sempre ao teu lado.
Joana Rosa

Estou neste momento a vive e trabalhar
no México, portanto as minhas vindas
a Portugal não são tantas nem tão
frequentes quanto queria. Em Dezembro
último vim a Portugal passar o Natal mas
resolvi dizer aos meus pais que não vinha.
Com a ajuda dos meus avós e de um amigo
meu, consegui esconder isto tão bem, que
quando cheguei à porta de casa, a minha
mãe ficou em choque e só gritava “meu
querido filho, meu querido filho”. São
reacções que não têm preço. Feliz dia da
Mãe, mãe!

André Coelho

Comemora-se
no próximo dia
7 mais um Dia
da Mãe. Pedemme por isso que
descreva um
momento que
tenha marcado a
minha relação com
a minha mãe.
Depois de
matutar um pouco
e relembrar alguns dos momentos mais importantes da minha
vida, vejo que ela lá estava, presente em todos eles.
Mais do que relatar algum episódio especial, permitam-me
enaltecer o papel da minha mãe, e de todas as outras, estando
presentes e dando o seu apoio em todos os momentos.
Primeiro na nossa educação, depois encaminhando-nos e
apoiando as nossas escolhas, e depois também no papel de avó,
dando-nos uma valiosa ajuda com os nossos pequenos.
Por tudo isto e muito mais, quero dizer: Obrigado Mãe!

Nelson Belchior

Dia da MãeDia da MãeD
Dia da Mãe

ia da Mãe

CSS | 5 de Maio de 2017

9

Pensei em várias formas de começar este texto... Na verdade, acho que nunca fiquei tão ansioso a fazer um texto antes. Parece que me deu uma branca
na minha mente, as palavras parecem simplesmente terem fugido. Escrevi e reescrevi várias frases soltas, mas parece que nenhuma delas traduz em palavras
realmente tudo o que eu te quero dizer... Foi então, que no auge desta minha ansiedade de não saber usar frases e palavras, surgiu na minha mente algo que
eu tenho a certeza que seria um ótimo começo. Com certeza que deves conhecer os meus próximos versos;
“Amar é lindo, gostar também, amar o mundo inteiro, e a nós também...” Mas eu aposto que já deves estar a pensar: mas
afinal estava eu aqui a espera de um texto do meu filho que ate sabe falar (como ate costumas dizer) e vem me com um texto da
primaria. Pois é mãe, acontece que eu não consigo ver nada melhor do que este texto para, no dia de hoje, transmitir tudo que
sinto por ti. Acontece que hoje, com os meus 32 anos, vejo nestes versos algo muito além de uma simples rima. Hoje vejo com
toda a clareza o quanto es importante para mim.
Amar é lindo. O amor, o amor é o mais belo e raro sentimento que existe, é uma dádiva que o ser humano possui, de
conseguir amar e ser amado. E isso mãe, eu devo te a ti. Tu ensinaste me a amar, ensinaste me a respeitar, ensinaste me a dar
valor à vida, aos amigos, a familia. E o mais importante de tudo: tu deste me amor. O amor mais singular que existe no mundo, o
amor acolhedor, o amor que ensina, que provoca risos, lágrimas, que faz com que eu me sinta especial, protegido. Se me das uma
bronca é porque me amas, e queres o meu bem. Está certo que na hora posso não gostar muito, mas logo passa, pois o amor
que me dás em seguida cobre qualquer tipo de irritação.
Gostar também. Mãe, tu ensinaste me a gostar das coisas mais inexplicáveis da vida. Mas ainda mais importante, tu ensinaste
me a gostar do doce da vida, e, também, a saber lidar com o amargo, com as dificuldades, ensinaste me a gostar da vitória, a
gostar de aprender, de ir em busca do novo, ensinaste me a gostar de aproveitar cada fase que passo, e que ainda vou passar.
Ensinaste me a sentir o gosto da vida, com as tuas nem sempre doces mas acolhedoras palavras. Amar o mudo inteiro. Amar
a vida, amar a família, amar a mim mesmo. Mostrar esse amor. Todas as vezes que tu vinhas como uma leoa defender-me, mesmo quando nao tinha defesa
possivel. Toda as vezes que deixaste de fazer algo pela minha felicidade, ou então que te sacrificaste para ver um sorriso no meu rosto. Todas as vezes
que dividiste comigo as tuas angustias, os teus medos, as tuas felicidades. Todas as vezes que estavas do meu lado quando eu passava pelas mesmas coisas.
Mostraste o teu amor todas as vezes que me deste a mão e disses te para eu não me preocupar que tudo ia passar que as coisas iam ficar bem.
E amar a nós também. Neste último verso, quero fazer na verdade aqui um pedido de desculpa. Por todas as vezes que não te quis ouvir, que fiquei
chateado contigo, que bati o pé, todas as vezes que por algum motivo te decepcionei, quero pedir desculpas pelas parvoices, pelas cenas, pedir desculpa
por muitas vezes exigir tempo demais teu, por as vezes pensar que vives em minha função. Quero pedir desculpas por muitas vezes não te dar o valor que
realmente mereces, por não demonstrar o amor que sinto. Mas fica a saber de uma coisa; eu amo te, e muito. E nunca mãe, nunca duvides do meu amor
por ti. O meu maior desejo, é que possas olhar pra mim e pensar: “Que orgulho tenho do meu filho” E é por isso que tento melhorar a cada dia que passa,
por isso que quero sucesso na vida, por isso que me esforço pra fazer a diferença. Para dar orgulho a quem me ensinou a ter garra, a ir a luta, a não desistir
nunca. Sei que não existem palavras suficientes pra descrever tudo que sinto por ti, e mesmo que houvesse, ainda assim não seriam suficientes. O nosso
amor é transcendente, está acima de tudo. Espero que com estas palavras tenha conseguido mostrar te apenas uma fração de tudo que por ti sinto, de tudo
que a ti sou agradecido. Escrever-te estas letras significam para mim muito mais do que te dar qualquer outro presente, pois isto, vem do coração, vem com
sinceridade, vem com amor. Feliz dia da mãe.
João Paio

Publicidade

Saúde

CSS | 5 de Maio de 2017

10

CONJUNTIVITE/ "OLHO VERMELHO"
A conjuntiva é uma membrana fina
SINAIS E SINTOMAS DA
que cobre o lado interno das pálpebras e a CONJUNTIVITE
parte branca do olho (a esclerótica).
A inflamação ou a infecção da
Vermelhidão
conjuntiva é chamada de conjuntivite
Sensibilidade à luz
(“olho vermelho”).
Sensação de areia, coceira ou
queimadura
Pode ser provocada por vírus, bactérias
Pálpebras inchadas
ou fungos;
Secreção
alergia;
Lágrimas aumentadas
exposição a produtos químicos ou
irritantes;
Se os sintomas não se resolverem no
ou presença a longo prazo de um corpo intervalo de tempo esperado e a pessoa
estranho, como lentes de contacto duras tiver o sistema imune enfraquecido
ou rígidas.
ou se algum dos seguintes sintomas
forem encontrados, deve procurar-se
Os vírus que provocam o resfriado atendimento médico imediatamente.
comum também podem resultar em
conjuntivite. O tempo de evolução
Dor no olho de moderada a grave ou
da conjuntivite viral é similar ao das sensibilidade à luz
infecções do trato respiratório superior,
Visão reduzida, visão embaçada ou
sendo que os piores sintomas ocorrem visão dupla que não se resolve ao remover
entre três e cinco dias e se resolvem em a secreção dos olhos
sete a 14 dias.
Aumento da vermelhidão dos olhos
A conjuntivite bacteriana é provocada
Se houver sintomas de resfriado ou
geralmente por Streptococcus ou problemas respiratórios, a conjuntivite é
Staphylococcus. Essas bactérias vivem provavelmente causada pelo mesmo vírus
na pele humana e podem contaminar respiratório.
a maquiagem para os olhos e outros
produtos. Menos comum, as infecções por
A conjuntivite por herpes pode ocorrer
clamídia ou gonorreia podem provocar quando bolhas semelhantes às da herpes
conjuntivite. A conjuntivite bacteriana ocorrem no corpo.
geralmente se resolve em dois a cinco dias
A conjuntivite bacteriana pode
sem tratamento, mas pode precisar de provocar secreção espessa amareloantibióticos tópicos (colírio ou pomada). esverdeada.
Esses tipos de conjuntivite infecciosa
A secreção aquosa é mais comum com
são muito contagiosos e facilmente vírus.
espalhados entre as pessoas.

Dr. Jorge Neves

PREVENÇÃO E TRATAMENTO
Colírio de venda livre pode aliviar os
sintomas.
Os antibióticos não tratarão a
conjuntivite viral.
Alguns tipos, como as provocadas pelo
herpes, podem precisar de medicação
antiviral.
A conjuntivite bacteriana pode
melhorar sem tratamento, mas os
antibióticos tópicos podem reduzir o
tempo da doença.
Para evitar a dispersão da conjuntivite,
devem lavar-se as mãos ou usar
desinfectante à base de álcool, evitar tocar

e esfregar os olhos e lavar a secreção em
volta dos olhos várias vezes ao dia. Não
compartilhar roupas de banho, toalhas,
maquiagem ou óculos.
Os pacientes são frequentemente
afastados da escola ou do trabalho até que
não haja secreção ou que a terapia com
antibiótico seja iniciada.

DR

urtiga
silício e é rica em vitaminas C, B2 e B6.
Tal constituição implica variadíssimas
propriedades, entre as quais, a de ser
depurativa, anti anémica, hemostática,
antidiabética, etc.

foi publicada no jornal local alguns
idosos que se reúnem todos os dias no
largo principal da vila abordaram-me
alegremente falando deste pormenor. O
artigo era vasto mas eles só se detiveram
neste detalhe. Logo pensei:

Vamos agora detalhar alguns dos seus
potenciais usos, cujos efeitos benéficos se
encontram comprovados, surpreendendo,
por ventura os mais desprevenidos.
Em primeiro lugar, queremos
referir que a cáustica picada da urtiga
é extremamente útil para os doentes
de reumatismo, paralisia e deficiente
circulação sanguínea. Esfregar a pele com
urtigas provoca uma excelente reação nas
pessoas fracas e anémicas. Escritos antigos
apontam mesmo, como muito eficaz, a
fricção do baixo-ventre como meio de
estimular as funções sexuais, quer para
homens, quer para mulheres. Não custa
nada fazer a experiência!
(Um breve parêntesis para referir
que quando esta minha croniqueta

- Queres ver que eles já experimentaram
ou estão a fim de experimentar!)

Miguel Boieiro

DR

«Mandar alguém às urtigas», para que
não nos aborreça mais, tornou-se um dito
corrente. E se de facto, a expressão indica
menosprezo por quem nos incomoda,
também não coloca em alta conta, a
urtiga, «erva desprezível» que queremos
ver longe de nós. Trata-se de uma
tremenda injustiça, aproveitamos para
dizer e mais à frente explicaremos porquê.
Não restam dúvidas que a urtiga está
disseminada por todo o lado e que as
suas picadelas não são nada agradáveis.
Por isso mesmo, é das plantas silvestres
mais conhecidas. Diremos mesmo, não
há ninguém que não a conheça. Para quê
então, vir aqui falar dessa ervinha que
toda a gente tem a «desdita» de conhecer?
Na verdade, as aparências iludem, dado
que a urtiga ocupa lugar de destaque na
fitoterapia e não só.
Existem várias espécies de urtigas,
mas todas elas pertencem à família
das urticáceas e têm propriedades
praticamente iguais. Entre nós, a mais
profusa é a Urtica dioica que alastra
por todo o país. Chega a atingir 1,5 m
de altura, tem caule ereto e folhas ovais,
opostas e dentadas. As flores, de cor
verde, ramificam-se em espigas colocadas
nas axilas das folhas superiores. Toda
a planta está coberta de finos pêlos cuja
picada origina muita comichão devido
a conter uma substância histamínica.
Esta propriedade constitui uma defesa
da própria planta que assim fica menos
apetecível para os diversos animais.
Para além da histamina, a urtiga
contém numerosos compostos, ácido
fórmico, caroteno, abundante clorofila,
tanino, ferro, potássio, cálcio, enxofre,

O «chá» de urtigas (30 g de folhas secas
para um litro de água, ou 60 g da planta
verde, o que é preferível) é bom para os
diabéticos e anémicos. Para uso externo
(irrigações) estanca as hemorragias.
Melhor será, contudo, utilizar o suco da
urtiga, tomando-se uma colher de sopa,
duas ou três vezes ao dia. Há naturopatas
que recomendam ainda a decocção, a
maceração, ou o xarope.
Em cosmética é famosa a ação da
urtiga para o tratamento do couro
cabeludo e da queda do cabelo. Diversas
loções capilares são preparadas com base
nos seus princípios ativos.

Muita gente ficará espantada e incrédula
se lhes dissermos que as urtigas podem
ser consumidas como qualquer legume
hortícola. Pois é verdade, a urtiga entra
também na gastronomia onde poderá ter
um lugar de maior destaque se as pessoas
abandonarem preconceitos e tabus.
Como? Muito simplesmente como se de
nabiças ou de espinafres se tratasse. Basta
passar as plantas por água tépida para
que deixe de picar. Depois separam-se os
talos (demasiado fibrosos) e aproveitam-se
as folhas que são ótimas para a confeção
de sopas e outros pratos cozinhados.
Não conhecemos melhor esparregado
do que o de urtigas. Devido ao alto teor
de clorofila, o esparregado mantém uma
cor verde agradável, ao contrário do que
acontece em determinados restaurantes
onde o verde vivo do esparregado se deve
à utilização do bicarbonato de sódio. O
sabor? É agradável e ninguém descobre
que provém das urtigas, se não lhe
dissermos.
Finalmente queremos ainda acrescentar
que estudos efetuados acerca dos efeitos
das associações vegetais revelaram
que a presença da urtiga melhora o
desenvolvimento de outras plantas, como
as ervas aromáticas, cujo teor em essências
sai reforçado.

cultura

CSS | 5 de Maio de 2017

11

Eufrázio Filipe apresenta livro
de poesia no Seixal

POESIA

Agostinho A. Cunha

I
Eu gostava de saber
Quem fez o céu e a terra
Que nos dá Sol e faz chover
Tanto no mar como na serra.
II
Tudo feito com perfeição
Disso eu tenho a certeza
Esta grande imensidão
Dizem que foi a Natureza.
III
O Inverno está acabar
Primavera está chegando
Isto não pode parar
A terra cá vai andando.
IV
Ultima pergunta que lhes deixo
Por aqui eu vou ficar
Digam-me onde está o eixo
Que faz a terra girar

«Chão de Marés – Colectânea de Poesia
2013-2016» é o novo livro de Eufrázio
Filipe, com lançamento marcado para o
dia 6 de maio, sábado, pelas 17 horas, na
Galeria Municipal Augusto Cabrita, no

Fórum Cultural do Seixal.
Na apresentação, para além do autor,
estará Paulo Afonso, em representação da
editora, para em conjunto desvendarem
a arte poética de Eufrázio
Filipe, a qual é construída
de palavras, sons e
silêncios.
A iniciativa contará
também com a presença
de Maria José Bravo
e Vera Silva e terá um
apontamento
musical
pela Escola de Artes do
Independente
Futebol
Clube Torrense.
Tal
como
refere
Eufrázio
Filipe:
«as
minhas
publicações
não pretendem salvar
o mundo, mas sim
evidenciar afetos. Na
verdade não me considero
um poeta, apenas um
artesão de metáforas.
Escrevo porque me dá
prazer, as minhas palavras
querem transmitir algo, a
quem as quiser ouvir».
Eufrázio Filipe tem
várias obras editadas entre

Publicidade

DR

poesia, contos e romances e lança agora
«Chão de Marés», um livro de poesia com
prefácio de Licínia Quitério, que tem a
chancela da editora Lua de Marfim.
Os apreciadores da sua escrita podem
segui-lo, igualmente, através do blogue
Mar Arável.

reportagem

CSS | 5 de Maio de 2017

12
Publicidade

concerto da
comemoração
dos ideais de abril
Para comemorar o 43º aniversário da Revolução dos Cravos,
a Sociedade Filarmónica Democrática Timbre Seixalense e a
Sociedade Filarmónica União Seixalense, desafiados pela Câmara
Municipal do Seixal, juntaram-se no palco na frente ribeirinha do
Seixal para um concerto que contou ainda com a participação do
coro da Unisseixal.

A primeira parte do concerto foi
dedicada a obras só para banda ainda
sem a adição do coro.
Foram tocadas SweetBreeze in
May, Rhapsody in Blue com o solista
Miguel Costa da Timbre Seixalense,
Canções de Tradição, Malhão de
Cinfães e Reflections of this Time.
A segunda parte do concerto já
contou com o coro da Unisseixal e foi
mais focada em canções dedicadas
ao 25 de Abril como, Grândola Vila
Morena, Gaivota ou ainda A Life on
the Ocean Wave, peça mais musical
conhecida como a Marcha do 25 de
Abril.
O concerto conjunto das duas
bandas filarmónicas do Seixal ganha
contornos históricos porque há cerca
de 20 anos que as duas bandas não
actuavam em conjunto no mesmo
palco e alguns dos músicos não eram
sequer nascidos há 20 anos ou se eram,
não se lembram desse acontecimento.
É este o caso de Marta Inocêncio, 2º
Clarinete da Timbre Seixalense, de
apenas 17 anos.
Marta contou-nos que “não sabia
que as bandas já tinham actuado
em conjunto” mas que gostou
bastante da experiência "porque me
proporcionou ver as diferenças entre
as duas bandas, fazer novos amigos
e trabalhar com outros maestros
e tive também a oportunidade de
aprofundar os meus conhecimentos
musicais”.
Já Gil Alves Pacheco, 1º Trompete
da União Seixalense, de 25 anos, sabia
que as bandas já tinham actuado
juntas mas não tem memória de ter
visto.
Gil contou-nos que tudo foi uma
“excelente iniciativa por parte da

Câmara” mas que mais importante
que isso “é sempre bom encontrar
velhos amigos num palco onde a
rivalidade não passa de saudável”.
Para
percebermos
e
contextualizarmos as declarações
de Gil Alves Pachecho sobre a
“rivalidade saudável”, este concerto
de comemoração do 25 de Abril
marca ainda os 42 anos das pazes
feitas entre as duas filarmónicas do
Seixal. Foi no 1º de Maio de 1975
que as filarmónicas fizeram as pazes,
no então Campo do Bravo, pazes
essas apadrinhadas pela Banda da
Armada.
Até então, onde ia uma banda não
ia a outra, e caso se cruzassem, a coisa
não acabava bem.
No palco viveu-se e tocou-se o
espírito de Abril entre duas bandas
que já foram rivais e hoje dão a
liberdade aos seus músicos e amigos
de poderem juntos construir algo
novo.

A

Agenda
Agenda

CSS | 5 de Maio de 2017

13

DR

Seixal Moda –
Open Mind

III Feira Medieval em Terras
de Corroios

Amanhã, pelas 21:30h,
tem lugar no Pavilhão Municipal da Torre da Marinha, a
26ª Edição do Seixal Moda.
O concurso este ano tem a
apresentação de João Paulo Sousa e conta com as
actuações de Maria Sampaio, Jonas David, Leonor
Serôdio e Edvander Cardoso. Os bilhetes podem
ser adquiridos no próprio
dia na bilheteira do Pavilhão
Municipal.

Começou ontem e acaba
no Domingo a terceira edição
da Feira Medieval em Terras de
Corroios. Entre as actividades
propostas podemos assistir a
demonstração de provas de
cavalos, combates técnicos e
contextualização sobre armas expostas, demonstração da importância do cão na caça e explicações de falcoaria. A Feira
Medieval decorre no Parque Urbano da Quinta da Marialva.

DR

Rota dos Dinossauros
DR

DR

No próximo Domingo, dia
7 de Maio, das 9 às 13 horas,
Pedalar pelo Património. A
Câmara Municipal de Sesimbra
organiza uma pedalada pelas
pedreiras do Avelino, Pedra
da Mua e Lagosteiros para
dar a conhecer as jazidas
icnofósseis presentes no concelho. O passeio carece de
inscrição prévia e tem um valor monetário de dois euros.

Publicidade

Exposição
Paisagens do
Meu Interior

Paisagens do Meu Interior é o nome da exposição
do fotógrafo sesimbrense
José Carlos Nero que vai
ser inaugurada no próximo
dia 13 de Maio às 17 horas
na Galeria de Exposições
Augusto Cabrita. A exposição estará patente até ao
dia 9 de Junho, e segundo
o autor, demonstra-nos um
“exercício de introspeção”,
e das suas “viagens às Paisagens do seu interior”.

DR

Dia Mundial
da Dança
Hoje e amanhã celebrase o Dia Mundial da Dança
e a comissão técnica de
Dança, Câmara Municipal
do Seixal e o Movimento
Associativo prepararam um
espectáculo para celebrar
a efeméride. A celebração
conta com grupos de dança de várias colectividades
desportivas do Seixal, tem
entrada livre e vai realizar-se
no Auditório Municipal do
Fórum Cultural do Seixal.

lazer

CSS | 5 de Maio de 2017

12
14
14

sopa de letras

ferramentas

cinema

GUARDIÕES DA GALÁXIA 2

Carneiro

5 a 11 de Maio
21-03 a 20-04

Amor: Sentir-se-á um pouco apático. Preste mais atenção ao
que o seu coração lhe tem transmitido, não fique indiferente.
Saúde: O seu descontentamento com a silhueta levá-loá a pensar em fazer uma dieta.
Dinheiro: É importante que faça uma análise onde destaque os seus últimos investimentos, de modo a determinar que
rumo dar à sua vida financeira. Aja com prudência e sabedoria.
Números da Semana: 15, 20, 24, 36, 45, 49

Touro

21-04 a 21-05

Amor: Corte com as coisas do passado. Alimentar paixões
antigas só vai fazer com que se sinta nostálgico e deprimido.
Saúde: Cuidado com o stress.
Dinheiro: Tenha atenção ao seu trabalho, pois é possível
que alguém procure desfazer aquilo que lhe levou tanto tempo a conseguir.
Números da Semana: 01, 04, 13, 24, 28, 29

Gémeos

21-04 a 21-05

Amor: Alguns contratempos podem pôr em causa o seu relacionamento amoroso. Mantenha a calma e não permita que
comentários de pessoas maldosas e invejosas prejudiquem
a sua relação.
Saúde: É possível que tenha alguns problemas circulatórios.
Dinheiro: Esteja consciente das suas capacidades e lute
por conseguir atingir os seus objetivos.
Números da Semana: 05, 09, 17, 20, 39, 49

Caranguejo

dr

Guardiões da Galáxia Vol. 2, da Marvel,
continua a acompanhar as aventuras da equipa
enquanto atravessa os limites do cosmos. Os
Guardiões devem lutar para manter a sua família
recém-descoberta unida, enquanto tentam
desvendar o mistério do verdadeiro parentesco
de Peter Quill. Antigos inimigos tornam-se
novos aliados e as personagens favoritas das
bandas desenhadas clássicas irão ajudar os nossos
heróis, continuando a expansão do Universo
Cinematográfico Marvel.

Sudoku

21-06 a 23-07

Amor: Um acontecimento inesperado fará com que se
sinta muito querido e desejado pelos seus amigos.
Saúde: Seja mais consciencioso e não coma em
demasia pois, para além de engordar, pode correr o risco
de sofrer de colesterol e problemas cardiovasculares.
Dinheiro: Durante este período poderá andar mais nervoso do
que o habitual, pois terá uma certa dificuldade em cumprir os seus
compromissos. Contudo poderá ver a sua situação melhorar.
Números da Semana: 10, 20, 24, 27, 29, 36

Leão

Virgem

How to Become
Nothing

dr

Paulo Furtado, mais conhecido no
mundo da música como The Legendary
Tigerman, junta-se ao realizador Pedro Maia
e à fotógrafa Rita Lino e vêm apresentar ao
Seixal o seu mais recente trabalho How to
Become Nothing.
O trabalho conta-nos a história de uma
roadtrip pelo deserto da Califórnia, nos
Estados Unidos da América. Um road-movie
em formato filme/concerto com banda
sonora ao vivo de The Legendary Tigerman
e manipulação de imagens em tempo real de
Tiago Maia.
O espectáculo marcado para dia 20 de
Maio às 21:30.

24-09 a 23-10

Amor: Andará um pouco frio e distante.
Saúde: Sentirá muita vitalidade. Aproveite para se inscrever numa modalidade desportiva.
Dinheiro: O seu poder de iniciativa vai ser notado pelo seu
superior hierárquico que o saberá recompensar da melhor
forma.
Números da Semana: 4, 9, 15, 19, 36, 48

Escorpião

24-10 a 22-11

Amor: Poderá voltar a sentir-se apaixonado.
Saúde: A sua família poderá requisitar tanto a sua presença que irá sentir-se esgotado e sem energia. Apoie os seus
entes queridos mas pense também um pouco mais no seu
bem-estar.
Dinheiro: Período muito favorecido, contudo não coloque
em risco a sua estabilidade financeira.
Números da Semana: 25, 31, 32, 39, 42, 43

Sagitário

SOLUÇÃO

24-08 a 23-09

Amor: Passará momentos muito felizes junto da sua família.
Aproveite para passear e fazer programas diferentes e
divertidos.
Saúde: É possível que uma corrente de ar lhe provoque
uma constipação.
Dinheiro: Grandes oportunidades esperam por si.
Saiba aproveitá-las!
Números da Semana: 17, 18, 19, 26, 29, 38

Balança

música

24-07 a 23-08

Amor: Não se iniba de demonstrar o tamanho do seu amor,
contudo evite ser demasiado exigente com o seu parceiro.
Saúde: Concentre a sua atenção e energia na cura de um
problema de saúde.
Dinheiro: O laço que mantém com o seu atual emprego vai fazer com que tenha de fazer uma escolha difícil.
Números da Semana: 5, 15, 26, 29, 38, 39

23-11 a 21-12

Amor: Não crie barreiras entre si e um amigo muito querido. Um pequeno desentendimento poderá fazer com
que ponha em risco uma amizade de longa data.
Saúde: Deve consultar o seu médico de modo a aconselhá-lo sobre as melhores formas de prevenir uma
alergia.
Dinheiro: Um colega de trabalho pode dificultar-lhe a
vida ao falar com o seu chefe, no sentido de ficar com
uma tarefa que lhe tinha sido atribuída a si.
Números da Semana: 5, 6, 18, 22, 31, 34

Capricórnio

22-12 a 20-01

Amor: Procure entender os atos da sua cara-metade.
Lembre-se que nem todas as pessoas são iguais e que
deve aceitar a pessoa amada tal como ela é.
Saúde: Evite comer alimentos demasiado pesados
pois a tendência é para digestões difíceis.
Dinheiro: Período favorável a iniciar um curso de
formação profissional. Vá em frente, aposte em si mesmo.
Números da Semana: 08, 19, 22, 26, 31, 39

Aquário

21-01 a 19-02

Amor: Tenha cuidado para não magoar o seu par numa
discussão insignificante e sem fundamento.
Saúde: Tendência para a depressão, combata-a tendo
pensamentos mais otimistas.
Dinheiro: Poderá ter dificuldade em fazer-se ouvir numa importante reunião de negócios. Não desista perante as dificuldades.
Números da Semana: 07, 22, 23, 28, 33, 39

Peixes

20-02 a 20-03

Amor: Um amigo muito querido pode precisar da sua
ajuda. Esteja disponível e seja um bom ouvinte.
Saúde: Poderá notar algum cansaço fora do vulgar.
Dinheiro: Período muito favorável no setor financeiro.
Invista nesta área.
Números da Semana: 08, 09, 20, 24, 26, 33

desporto

CSS | 5 de Maio de 2017

11
15

Corfebol do CCRAM Inauguração
conquista 4 vitórias da sede do Grupo
em 4 jogos
Futsal Amigos
da Encosta do Sol
Em menos de uma semana, a equipa principal de Corfebol do Alto
do Moinho conseguiu vencer 4 jogos nesta recta final para o acesso
aos playoffs do Campeonato Nacional 2ª Divisão.

DR

Tudo começou na passada quarta-feira,
dia 26 de Abril, num jogo realizado frente
à equipa do CCarnaxideCD B: num jogo
que se mostrava difícil desde início, a
equipa do Centro Cultural e Recreativo
do Alto do Moinho (CCRAM) viuse a perder por 6 cestos no decorrer da
segunda parte e, com muita garra e
vontade, conseguiu recuperar epicamente
dessa desvantagem e vencer o jogo por
apenas um cesto (18 - 19).
Seguiu-se então o CIF B, sábado dia 29
de Abril: um jogo de imensa intensidade
que ficou resolvido apenas no último
minuto a favor da equipa vermelha, com
um resultado favorável de 17 a 16. Neste
jogo existiu um domínio constante por
parte da equipa do CIF B, principalmente
no decorrer da 1ª parte, tendo o CCRAM
de puxar pela disponibilidade física para
igualar o jogo e acabar por o vencer.
A batalha seguinte foi frente ao
CRCQLombos, no domingo dia 30
de Abril - uma equipa que o CCRAM
ainda não tinha conseguido vencer nesta
época 2016/2017. Num jogo de enorme
equilíbrio na 1ª parte, a equipa do CCR
Alto do Moinho veio do intervalo com
uma tremenda vontade de vencer, tendo
dominado por completo a 2ª parte,
terminando o jogo com uma vitória por
14 a 11, mantendo ainda mais em aberto a
possibilidade de vir a lutar pelas medalhas

da 2ª Divisão.
Por fim, no Dia do Trabalhador, os
atletas do Alto do Moinho tinham em
mãos uma tarefa muito complicada
contra os GDBonsDias B (equipa
já apurada para os playoffse que se
encontra em grande forma). O CCRAM
entrou, perante o seu público, com uma
enorme energia e com uma boa eficácia,
conseguindo desde início distanciar-se no
marcador do jogo e indo para intervalo
a ganhar por 5. A segunda parte foi um
espelho da primeira, finalizando o jogo
com um parcial de 22 a 14.
Estes foram os marcadores dos 71
cestos da nossa equipa, nestes 4 jogos:
Samuel Pesca (14), Ana Beatriz Pesca
(9), Catarina Frade (8), Olavo Mendes (8),
Marisa Ramalho (6), Ricardo Cruz (6),
Tomás Ferreira (6), Almerindo Fortes (4),
Catarina Sousa (3), Rita Pagaimo (3), Ana
Santos (1), Margarida Lopes (1), Abdul
Santana (1) e Joaquim Trindade (1).
O Centro Cultural e Recreativo do
Alto do Moinho está a uma vitória
de conseguir assegurar, pela 1ª vez, a
presença nos playoffs de 3º/4º lugar da
2ª Divisão. Ficam a faltar dois jogos
para terminar esta fase do Campeonato
Nacional 2ª Divisão: dia 6 de Maio frente
ao CCarnaxideCD B e dia 7 de Maio
diante dos CRCQLombos B.
C.C.R.A.M.

BRE
VES
5º TRIATLO DE AMORA
A Associação Naval Amorense e a Junta de Freguesia de Amora, no dia 6 de Maio,
convidam a população a estar presente na 5º edição do Triatlo de Amora, Prova do
Campeonato Nacional Jovem de Clubes, na Marginal de Amora, pelas 11 horas.
Participe!

CAMINHADA EM FERNÃO FERRO
Durante os próximos Domingos de Maio e Junho, a Junta de Freguesia e o Movimento Associativo de Fernão Ferro, vão levar toda gente a caminhar pelas rua da
sua freguesia. Caminhadas com início no Parque das Lagoas, pelas 10 horas e com
uma duração de cerca de uma hora

A sede do Grupo Futsal Amigos da
Encosta do Sol (GFAES) foi inaugurada
no dia 29 de abril. O equipamento
nasceu junto ao terreno utilizado para
os treinos de escolinhas desde 2005,
ano da fundação do clube. O terreno foi
atribuído posteriormente pela Câmara
Municipal do Seixal para construção do
polidesportivo, o qual foi comparticipado
com 40 mil euros pela Autarquia e
inaugurado em 2009. O edifício sede
fica situado na Urbanização Encosta
do Sol, em Aldeia de Paio Pires, mais
precisamente na Rua Virgílio Martinho.
Com salas para a direção e balneários
para apoio ao polidesportivo, inclui ainda
o arranjo de espaços exteriores. A obra
teve um investimento de 156 mil euros da
Câmara Municipal do Seixal.
Criado por um grupo de 13 amigos,
há menos de 12 anos, o GFAES é já
um exemplo nos escalões de formação,
assim como na organização de iniciativas
desportivas, caso do Troféu de Futsal
Orlando Duarte, ou lúdicas, como a
Feira do Fumeiro. Desenvolveu ainda
secções de cicloturismo e caminhada, e
tem ainda colaborado com instituições de
solidariedade social.
“Sempre tivemos em primeira linha
a formação desportiva”, lembrou Nuno
Rodrigues. O presidente da direção
do GFAES salientou que “esta sede é
fruto do trabalho de todos os lutadores:
direções, técnicos, atletas, pais e famílias”
e sublinhou que há quatro anos “esta
coletividade esteve para fechar as portas,
mas com a ajuda da Câmara Municipal e
da Junta de Freguesia, amigos, fundadores
e anónimos, conseguimos realizar o nosso
sonho”.

fantástico que tem sido feito pelo GFAES
ao longo do tempo, não só na prática
desportiva, mas também cultural e
social”.
“Num dia histórico para o GFAES”,
Joaquim Santos considerou “um exemplo
de serviço público a parceria que junta o
Poder Local ao movimento associativo,
com o objetivo de diversificar a oferta
desportiva, cultural e social para a
população”. O presidente da Câmara
Municipal do Seixal homenageou “o
grupo de amigos que acreditou e nos
fez acreditar, todos os dias, num projeto
pensado para os jovens, para a formação
desportiva, a cultura e o lazer.”
“Doze anos depois, já não há campo
de terra batida, já não há contentor,
mas um polidesportivo e uma nova sede
social”, contextualizou Joaquim Santos.
O presidente da Câmara defendeu “o
não condicionamento por parte do
Poder Local na vida das coletividades,
apoiando com meios de funcionamento
e autonomia, de forma a que possam ter
recursos próprios e inteira liberdade para
perseguir os seus objetivos e sonhos”.
A inauguração da sede incluiu ainda
uma intervenção de Manuel Amaral,
em representação da Associação de
Coletividades do Concelho do Seixal,
uma atuação da Fanfarra dos Bombeiros
Mistos do Concelho do Seixal e um jogo
amigável entre a equipa do GFAES e do
Liberdade Futebol Clube, da Cova da
Piedade.

O presidente da União das Freguesias
do seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires,
António Santos, enfatizou “o trabalho
DR

Publicidade
16
16

CSS | 5 de Maio de 2017


Documentos relacionados


Documento PDF lesmills app
Documento PDF o estrangeiro camus
Documento PDF diego sistema de seducao subliminar
Documento PDF guia de estudos unesco vsip 2017 oficial
Documento PDF guia de estudos unesco vsip 2017 oficial pronto
Documento PDF livro auditoria em folha de pagamento principais aspectos


Palabras claves relacionadas