Caja PDF

Comparta fácilmente sus documentos PDF con sus contactos, la web y las redes sociales.

Compartir un archivo PDF Gestor de archivos Caja de instrumento Buscar PDF Ayuda Contáctenos



Comercio 326.pdf


Vista previa del archivo PDF comercio-326.pdf

Página 1...3 4 56716

Vista previa de texto


sociedade

CSS | 9 de Dezembro de 2016

5

Transtejo incapaz de solucionar ligações
Seixal - Lisboa
Diariamente, centenas de passageiros desesperam na estação fluvial do Seixal e no Cais do Sodré, em Lisboa, devido à falta de barcos que
assegurem a ligação para o Seixal.
DR

mesmo barco avariado na segunda-feira e
já recolocado a navegar, tendo a Transtejo
fretado à Soflusa (Barreiro) um catamarã
para assegurar as viagens entre as cidades
do Seixal e Lisboa, assim como o velhinho
cacilheiro que voltou a circular entre estas
duas cidades.
Trantejo justifica
ligações com avaria

A situação deve-se, segundo a Transtejo,
à falta de navios em bom funcionamento,
ou seja, dos cerca de 30 que compõem a
frota, metade estão inoperacionais devido
a avarias ou operações de manutenção.
Nas últimas semanas, têm sido suprimidas
várias carreiras e os utentes sofrem com
a falta de navios e viagens com barcos
completamente lotados.
Os passageiros relatam o caos que se
vive na estação fluvial do Cais do Sodré:
Publicidade

"Desde as cinco e meia da tarde que não
há barcos no Seixal e a estação a está à
pinha. Um pandemónio, ninguém dá
informações aos utentes, mulheres e
crianças estão todos ao monte", conta
uma passageira.
Outro passageiro conta que, desde a
última quarta-feira, as viagens entre o
Seixal e Lisboa têm sido feitas "apenas por
um barco - o São Jorge" que, nas horas de
ponta, torna-se incomportável, tendo este

supressão

de

Fonte da administração da Transtejo
confirmou a existência de "perturbações
no transporte fluvial entre o Cais do
Sodré e o Seixal". Os atrasos nas ligações
resultaram da avaria de um dos navios,
pelo que a empresa teve que proceder à sua
substituição. A disponibilização de outro
navio demorou algum tempo,
o que provocou tempos de
espera maiores que o habitual
no Cais do Sodré, explica a
mesma fonte na segunda-feira.
O navio de substituição
entrou em funcionamento
por volta das 19h00 e
tem capacidade para 600
passageiros, tendo a situação
ficado
normalizada
por
volta das 20h00, embora na
terça-feira voltasse a haver
problemas nas ligações e
muita confusão nos cais de
embarque.

Comissões de utentes sugerem
reclamação por escrito no local
"Os passageiros devem manifestar-se
no local, pois o titulo de transporte já
está pago e quem perde é sempre quem
mais precisa". Realçando a necessidade de
união entre os passageiros para reivindicar
melhores condições, as comissões de
utentes deslocaram-se ao Ministério do
Ambiente.
Muitos utentes criticam a passividade
dos seus conterrâneos que "não se mexem
para que as ligações sejam repostas e
haja respeito pelos passageiros", havendo
redução de ligações e perca de valências
há vários anos.
DR